A traição de Kristen “não sei quem” e o que realmente importa

Estadão

26 Julho 2012 | 12h48

Uma confissão: eu não sabia quem era Kristen Stewart. Tenho muita coisa para pensar (bobagens incluídas) e não consigo acompanhar o nome de todos os astros de Hollywood (nunca fui boa nisso). Assim como sou ruim no Song Pop. Abro os sites de “entretenimento”. Todos estão falando da tal atriz. Olimpíadas? Quem se importa. Aumento do número de homicídios praticados pela polícia da cidade onde moro? Deixa para lá. Melhor pensar no escândalo de Kristen Stewart (eu juro, juro MESMO que nunca tinha ouvido falar nesse nome).

Pelo que entendi. Ela foi fotografada por paparazzis ficando com o diretor do filme que estrela. E ele é casado com outra atriz de quem nunca tinha ouvido falar o nome e tem dois filhos. E eu com isso?

Estou mais chocada com a pesquisa que acabo de ler: 70% dos gays de São Paulo já sofreram alguma agressão. Chocante. Mas não… A Kristen Stewart ficou com um diretor de cinema 20 anos mais velho. E ainda por cima ele é casado e tem dois filhos.

Traição. Sempre acontece. Desde que o mundo é mundo. Mas não, sempre sobra tempo para os moralistas terem um chilique. “Como pode, que vagabunda etc”. Detalhe: a galinha ainda costuma ser a mulher que traiu, não o cara que era casado.

Mas o que eu fico pensando aqui, de fato, é: por que perder nosso tempo pensando na traição de um casal lá de Holywood quando temos tanta coisa para pensar. Teorias.

1-    Ótimo julgar umas pessoas distantes quando na real qualquer um de nós pode trair a qualquer momento ou ser traído.

2-    Nada como julgar muito alguém que a gente não conhece, xingar um monte na internet e assim não olhar para a gente mesmo e o nosso desespero.

3-    Mais fácil pensar na vida de gente distante do que olhar para as tragédias que estão acontecendo ao nosso lado.

Sinceramente. Não consigo me preocupar com a traição de Kristen não sei que lá. Estou mais preocupada com a pesquisa que diz que 70% dos gays de São Paulo já sofreram alguma agressão, com o aumento da violência da PM, com o fato de não parar em blitz ser uma espécie de pena de morte na cidade onde moro e muitas, muitas outras coisas. Entre elas: o que vai acontecer em “Avenida Brasil” quando o Tufão voltar da praia com a família e der de cara com a Nina se vingando da Carminha. Verdade. Eu prefiro pensar na novela do que em fofoca de astro internacional. Me julguem.