A aparência da Dilma e porque é horrível ser mulher no Brasil

Estadão

06 de julho de 2013 | 19h19

Esse não é um texto partidário. Não. Não é. Votei e voto de novo na Dilma Roussef, mas o assunto aqui é outro. É o machismo mesmo. Um jornal teve uma idéia incrível: chamar um cirurgião plástico para analisar a cara de cansada da Dilma.
Há semanas, outra publicação teve uma idéia genial: analisar quanto a presidenta gasta com maquiagem e cabelo agora que existe uma crise política no Brasil e ela precisa fazer muitos pronunciamentos na TV.
Pára já! Pode parar. Pessoas ao meu lado já falaram: “ela anda acabada e com cara de cansada”. Bem, se a presidenta não estivesse com cara de cansada ela não seria humana.  E que coisa terrível ser mulher por essas bandas, não? Você não pode nem ter cara de cansada em paz que logo é xingada de acabada. Mulher tem que estar sempre impecável. Que prisão! Que chatice.
Ok. Mas já que mulher tem sempre que está impecável, a presidenta tem que gastar uma puta grana com “beleza”. E não pode. Não, de jeito nenhum. “Com os nossos impostos!”, grita a mesma pessoa que havia acabado de falar que Dilma estava com cara de acabada.
Ser mulher por essas terras é um inferno, não consigo parar de pensar, quando lembro que, no auge da crise, a tag: “arrume um namorado para a Dilma” fez sucesso no twitter.
Mulher não pode ficar cansada. E, claro, precisa de um macho. Não basta ser a primeira presidenta do país, de um país do tamanho do Brasil, eleita democraticamente!  Tem que ser linda e ter um homem. Macho acalma, pensam os machistas mais ogros. E um monte de gente, incluindo meninas, sai falando isso por aí sem pensar.
Lembro de um amigo que me disse uma vez que se fosse mulher no BRASIL se matava. Não, não vamos nos matar, mas que é horrível, oh, Simone, isso é.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.