Veja trailer de ‘Resident Evil 4’

Clássico de ação com toques de thriller barato, Resident Evil 4 - Recomeço, do diretor Paul W. S. Anderson, estreou nos Estados Unidos no início deste mês, e chegou aos cinemas brasileiros na sexta-feira passada

Estadão

18 de setembro de 2010 | 23h05

Bianca Balsi

Clássico de ação com toques de thriller barato, Resident Evil 4 – Recomeço, do diretor Paul W. S. Anderson, estreou nos Estados Unidos no início deste mês, e chegou aos cinemas brasileiros na sexta-feira passada. A crítica especializada tem dito que o roteiro é fraco, repleto de exageros e clichês. Mas o público não está nem aí para esse tipo de comentário. Prova disso é que, em sua primeira semana de exibição nos Estados Unidos, o longa arrecadou US$ 32 milhões e há duas semanas ocupa o primeiro lugar na lista de filmes mais vistos daquele país.

Personagem central da história baseada num jogo para vídeo-game, a indestrutível mutante Alice – interpretada pela modelo e atriz ucraniana Milla Jovovich, casada com o diretor da franquia – continua arrancando cabeças e matando a tiros zumbis famintos por carne humana, só que, desta vez, as lutas são mostradas em 3D.
Na primeira sequência, vertiginosa, Alice e seus clones – de origem desconhecida – despencam por túneis, distribuem pancadas contra guardas uniformizados e destroem uma base da Umbrella Corporation, em Tóquio. A empresa é responsável pela liberação do vírus que devastou a humanidade. Enquanto explosões e pancadarias correm soltas, um contador digital aparece no canto da tela, contabilizando os clones eliminados. Trezentos ao todo. A cena termina com o combate entre Alice e Wesker (Shawn Roberts), chefão da Umbrella, num avião em rota de colisão com uma montanha.

Alice sai viva, mas perde seus poderes especiais, que incluem, entre outras coisas, cura super-rápida e força e velocidade descomunais. E assim, mortal e meio comum, ela parte sozinha, de avião, armada até os dentes com espadas, facas, pistolas e espingardas de calibres variados, em busca de sobreviventes da raça humana que supostamente viveriam num refúgio chamado Arcadia.

Briga de mulher
Em vez de encontrar um oásis, a heroína durona encontra Claire (Ali Larter), sobrevivente do terceiro filme da saga. Inexplicavelmente, a dupla parte, então, num sobrevoo pela devastada Los Angeles. A cidade parece deserta, até que as duas avistam um grupo de sobreviventes no topo de um prédio. No chão, uma multidão cinzenta de zumbis espera a chance de devorar os humanos. Numa manobra suicida, Alice pousa o avião no topo do prédio, que vem a ser um presídio de segurança máxima. O avião só não despenca graças à ajuda de Luther West (Boris Kodjoe). O ex-astro do basquete dá um salto e agarra a cauda do avião no último segundo, numa das cenas mais risíveis e – justamente por isso – divertidas do longa.

Entre planos de fuga da prisão para Arcadia e combates contra zumbis, Alice e Claire protagonizam uma das lutas mais empolgantes do filme, contra o gigante Axeman. A arma do vilão é um misto de machado e martelo de carne, mas nem assim ele consegue vencer as garotas, que, literalmente, o explodem.
Um dos grandes destaques do longa são os efeitos em terceira dimensão. Inteiramente filmado com câmeras 3D Phantom, desenvolvidas pela Nasa, Resident Evil 4 tem efeitos que fazem o espectador se sentir dentro da aventura. E com uma atuação forte e empolgante de Milla Jovovich, o filme confirma o sucesso da franquia, que deve continuar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.