Revisitando Polanski

Estadão

03 de junho de 2010 | 11h45

Cena do filme

Cena do filme "O Pianista" (Foto: Divulgação)

Maiara Camargo

Embora nos últimos meses o nome do cineasta Roman Polanski, 76 anos, tenha frequentado mais as manchetes policiais do que as de cultura (ele é acusado de ter abusado sexualmente de uma menina de 13 anos, em Los Angeles, nos anos 70), o brilhantismo da carreira do diretor franco-polonês é inegável. Com cerca de 30 filmes no currículo, Polanski já recebeu mais de 50 prêmios, incluindo o Oscar de Melhor Diretor, por O Pianista (2002), e o Globo de Ouro, por Chinatown (1974). Para homenagear essa bela carreira, a Cinemateca de São Paulo e o Centro Cultural São Paulo (CCSP) promovem, a partir de hoje, uma retrospectiva completa, que inclui todos os longas-metragens e curtas raros do cineasta. Além dos filmes, a Cinemateca promove a exposição Roman Polanski. Ator. Diretor. A programação vai até o dia 27, na Cinemateca, e até o dia 13, no CCSP.

Com o apoio do Museu Cinematográfico de Lódz – a segunda maior cidade da Polônia –, do Instituto de Cinema Polonês e do Consulado-Geral da República da Polônia, o evento começa menos de uma semana depois do lançamento nacional de O Escritor Fantasma, filme que foi finalizado após Polanski ser preso no ano passado, na Suíça (pelo mesmo episódio já citado de abuso sexual), e conquistou o Urso de Prata (melhor direção) no festival de Berlim. O cineasta continua em prisão domiciliar, em Gstaad, na região dos Alpes suíços.

A sincronia entre a estreia do novo longa e a mostra foi programada. Urszula Groska, uma das organizadoras da retrospectiva, destaca a oportunidade de conhecer o trabalho de um dos artistas mais importantes do mundo. “Ele está num momento delicado, mas Polanski reinventou o cinema de horror (com O Bebê de Rosemary e A Dança dos Vampiros) e o cinema noir (com Chinatown). Ele também criou uma abordagem humanista e realista do holocausto (em O Pianista)”, diz.

A maioria das produções será exibida em DVD. As exceções são os filmes Armadilha do Destino (1966), Lua de Fel (1992) e A Morte e a Donzela (1994), que serão apresentados em película.

Montada num saguão da Cinemateca, a exposição Roman Polanski. Ator. Diretor reúne fotos, cartazes e vídeos que reconstituem a carreira do cineasta, incluindo trabalhos dele como ator. A mostra, que já esteve na Polônia, na Alemanha e na Inglaterra, tem a supervisão de Mieczyslaw Kuzmicki, diretor do Museu Cinematográfico de Lódz. A versão brasileira tem a curadoria de Urszula Groska. “Um dos destaques da exposição são os depoimentos de atores e atrizes, que atuaram ao lado de Polanski, como Gene Gutowski, Andrzej Wajda e Janusz Morgenstern”, diz a curadora, que ressalta, ainda, a beleza gráfica dos cartazes

Divirta-se
R
etrospectiva Polanski

Cinemateca Brasileira. Largo Senador Raul Cardoso, 207. Tel.: 3512-6111. De hoje a 27/6. R$ 8.

Centro Cultural São Paulo. Rua Vergueiro, 1.000. Tel.: 3397-4002. De hoje a 13 de junho. www.centrocultural.sp.gov.br

Exposição Roman Polanski. Ator. Diretor. Grátis. www.cinemateca.gov.br.

Tudo o que sabemos sobre:

Roman Polanski

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.