O perigo agora? Um bando de piratas

Uma das franquias de maior sucesso da animação ganhou um quarto capítulo. Amigos inseparáveis, o mamute Manny, o bicho-preguiça Sid e o tigre-dentes-de-sabre Diego agora enfrentam um perigo muito pior do que o derretimento das calotas polares em A Era do Gelo 4

Estadão

29 de junho de 2012 | 21h36

Felipe Branco Cruz

Uma das franquias de maior sucesso da animação ganhou um quarto capítulo. Amigos inseparáveis, o mamute Manny, o bicho-preguiça Sid e o tigre-dentes-de-sabre Diego agora enfrentam um perigo muito pior do que o derretimento das calotas polares em A Era do Gelo 4, em cartaz nos cinemas. O filme chegará às salas também em versão 3D – lembrando que a terceira parte também havia sido lançada no formato.

Ao todo, os três filmes anteriores, somados, lucraram quase US$ 2 bilhões em todo mundo e tiveram a direção do brasileiro Carlos Saldanha. Após o sucesso, o cineasta abriu sua própria empresa e seguiu carreira solo, lançando o longa Rio (2011). É por isso que esta nova versão é dirigida por Steve Martino e Mike Thurmeier, e não por Saldanha.

Diferentemente dos outros títulos, nos quais a ameaça era a natureza, desta vez, os amigos têm de combater um grupo de piratas, liderado pelo macaco capitão Gutt. Além disso, quando um cataclismo de separação dos continentes é desencadeado pelo esquilo Scrat, Manny se vê separado de sua família, a mamute Ellie e a filha Amora. Navegando a esmo pelo oceano em um imenso iceberg, Manny, Sid e Diego precisam achar um jeito de voltar ao continente e reencontrar a família.

Além de Gutt, outros novos personagens foram introduzidos na trama. Agora, conhecemos também a família do bicho-preguiça Sid. Dentre eles, a sua avó, que não tem dentes e, a todo momento, fica pedindo a Sid que mastigue as comidas para ela. Enquanto isso, Diego finalmente encontra uma namorada, Shira, que faz parte do bando do capitão Gutt. Os perigos oferecidos pelo capitão, aliás, deram ao filme um fôlego a mais a esta nova sequência da franquia.

No Brasil, os personagens continuam com a voz de Márcio Garcia (Diego), Diogo Vilela (Manny) e Tadeu Mello (Sid). Já Shira é dublada por Andréa Suhet e Ellie, por Carla Pompílio. Na versão em inglês, os personagens são dublados por Ray Romano (Manny), John Leguizamo (Sid), Denis Leary (Diego), Jennifer Lopez (Shira) e Queen Latifah (Ellie).

E, mais uma vez, o simpático esquilo Scrat acaba sendo responsável pelos momentos mais engraçados do longa, em esquetes que são inseridas na trama. Em sua incansável busca pela noz, ele cai em um buraco que o leva até o centro da Terra e lá, sem querer, divide os continentes. Seu empenho, no entanto, é recompensado e ele é conduzido até o paraíso dos esquilos, repleto de nozes por todos os lados.

Pela expectativa de público e retorno financeiro que poderá gerar, A Era do Gelo 4 é também um dos lançamentos mais aguardados deste ano, ao lado das novas superproduções de Batman e Homem-Aranha, ambas com previsão de estreia em julho.

Aquecimento global
No primeiro longa, os três amigos encontram um bebê humano. Juntos, eles farão de tudo para devolvê-lo à sua tribo. O segundo filme começa mostrando o derretimento das calotas polares e os animais se divertindo na água abundante. É nesse filme que Manny conhece sua mulher, a mamute Ellie. A princípio, ela acha que é um gambá, já que foi criada com dois deles. Naquela ocasião, os répteis marinhos pré-históricos que surgem após o derretimento das calotas é que representam perigo.

Já a terceira sequência mostra Ellie grávida. Sid encontra ovos, que depois descobre serem de dinossauros. Após cair em um buraco de uma caverna, a turma encontrará outros dinossauros, que vivem em um mundo tropical subterrâneo. O longa termina com Ellie e Manny apresentando sua primeira filha, a mamute Amora. E a saga continua agora.

Antes da projeção de A Era do Gelo 4, é exibido o curta O Dia Mais Longo na Creche, com cinco minutos de duração e estrelado por Maggie Simpson. Nele, a bebê Simpson tem de salvar uma borboleta azul da fúria de um outro bebê. O curta, que não tem nenhuma fala, também rende boas risadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.