Muito Barulho Por Quase Nada

Estreia hoje o novo filme de Tom Cruise e Cameron Diaz, 'Encontro Explosivo', com muita ação, tiroteios, perseguição e humor

Estadão

16 de julho de 2010 | 11h37

Cruise é o agente Roy Millar e Cameron Diaz faz a inocente June Havens

Cruise é o agente Roy Millar e Cameron Diaz faz a inocente June Havens

Felipe Branco Cruz

Durante sua visita ao Brasil, na semana passada, Tom Cruise definiu Encontro Explosivo, que estreia hoje no Brasil, como um “filme pipoca clássico”. O ator, que faz o protagonista do longa, o agente secreto Roy Millar, foi certeiro em sua definição. O longa metragem não passa disso. A atriz Cameron Diaz, que faz par romântico com ele, interpretando a mecânica June Havens, o acompanhou na visita ao Brasil. O longa é um dos piores trabalhos de Cruise nos últimos anos. O resultado refletiu na bilheteria da estreia mundial, a pior do ator em 20 anos. Ainda assim, os números são bons. Desde que estreou no exterior – há três semanas –, o filme já arrecadou R$180 milhões em todo o mundo, valor muito próximo ao custo total da produção: R$206 milhões. Trata-se de um roteiro confuso e fraco, cheio de explosões, lutas. A expectativa nacional, no entanto, é grande, já que a previsão é de que o filme seja exibido em 350 salas do País e teve o incentivo da divulgação feita pelos próprios astros. A seu favor, o longa tem o
fato de ser divertido e de ter no elenco dois dos maiores astros do cinema mundial.

A história é simples. Roy conhece June num aeroporto e a usa para atravessar a alfândega com uma super-bateria capaz de iluminar uma pequena cidade. Terroristas internacionais estão atrás do artefato, e o personagem de Cruise é acusado de trair o FBI ao tentar vendê-la no mercado negro. O que acontece em seguida é uma sucessão de perseguições de automóveis, aviões, motos, trens, lanchas, lutas e tiroteios. “Faço filmes para o público, e vejo a resposta positiva de quem assiste”, disse o ator. Numa dessas perseguições, Cruise pilota uma moto por entre touros, durante uma corrida de rua desses animais, na Espanha. A ideia, segundo o ator, era fazer um filme sobre um super-agente. Portanto, é natural supor que ele escape de situações de formas surreais. Algumas delas são inverossímeis, mas tanto o diretor James Mangold quanto o próprio Cruise acham normal. Dessas tais habilidades do personagem, pouco ou quase nada é explicado da trama.

Para divertir
Um exemplo de algo mal explicado – mas muito divertido – do filme é uma tal droga tranquilizante que o personagem de Cruise dá para Diaz. Em partes da ação, ela está sonolenta, sem saber o que está acontecendo. Num momento, ela acorda na Europa oriental. No outro, está numa pequena ilha no arquipélago português de Açores. “Tem tudo que gosto no cinema”, justifica o ator. Outra incoerência é a forma como a personagem de Diaz lida com as armas e direção defensiva. Garota tranquila e do interior, preocupada apenas em não perder o casamento da irmã, ela consegue escapar, de forma atabalhoada, de uma saraivada de balas e ainda troca tiros com terroristas e agentes do FBI. Para curtir Encontro Explosivo, a dica é se deixar levar pela loucura do roteiro e pelas aventuras da dupla. Fazendo isso, dá para sair da sala do cinema com um sorriso no rosto. Esta é a segunda vez que Tom Cruise e Cameron Diaz contracenam juntos. A outra foi em 2001, no filme Vanilla Sky, quando eles interpretaram um casal que vivia uma crise de identidade.

Assista ao trailer

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: