Mais uma invasão humana. Pobres extraterrestres

Uma embalagem infantil, recheada com uma trama piegas e uma trilha sonora adulta. A animação 'Batalha Por T.E.R.A.', é isso: um filme que não diz a que veio. Lançada nos Estados Unidos em 2007, o filme entra hoje (24), em cartaz no País

Estadão

23 de setembro de 2010 | 23h15

PEDRO ANTUNES

Uma embalagem infantil, recheada com uma trama piegas e uma trilha sonora adulta. A animação ‘Batalha Por T.E.R.A.’, é isso: um filme que não diz a que veio. A história, escrita e dirigida pelo canadense de nome grego Aristomenis Tsirbas, foi lançada nos Estados Unidos em 2007, mas, depois de alguns reagendamentos, finalmente entra em cartaz por aqui.

O nome do filme, em inglês, ‘Battle For Terra’, causaria uma confusão semântica quando fosse traduzido para o português. Isso porque, na história, a nossa Terra – ou ‘Earth’, em inglês – foi destruída há centenas de anos. Os humanos, então, passam a viver no espaço em busca de uma nova morada. O jeito encontrado pela distribuidora no Brasil foi chamar o planeta que dá nome ao longa e é objeto de desejo dos homens de T.E.R.A..

Lá vivem os simpáticos e pacíficos teranos, uma curiosa mistura do extraterrestre do filme de Steven Spielberg, de 1982, com girinos. Ah, eles também sabem voar.

O povo vive numa festiva comunidade acima das árvores quando é atacado pelos humanos. Lembra ‘Avatar’, de James Cameron, com os humanos invasores.

Acontece que a jovem terana Maia salva o piloto Jim e, entre eles, cresce uma amizade, em meio ao caos e a guerra. Juntos, eles percebem que as duas espécies têm semelhanças e precisam encontrar uma maneira de terminar o conflito de forma pacífica. Nem que isso signifique alguns sacrifícios de ambos os lados.

A animação em 3D enche os olhos, mas não combina com a trama séria. No fim, o longa deixa a dúvida: afinal, é um filme direcionado para adultos ou crianças?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.