Houve uma vez um verão…

Estadão

09 de junho de 2012 | 18h44

Por Felipe Branco Cruz

Uma parceria entre França, Itália e Suíça, o filme Um Verão Escaldante, que estreou sexta-feira nos cinemas, traz no elenco a deslumbrante atriz italiana Monica Bellucci, de 47 anos, além dos atores Jerôme Robart, Louis Garrel (filho do diretor do filme, Phillipe Garrel) e Céline Sallette. No enredo, Paul (Robart) e Frédéric (Garrel) são amigos inseparáveis e, com suas mulheres, passarão um inesquecível verão em Roma, na Itália.

O longa é narrado por Paul e, logo na primeira cena, Frédéric aparece sofrendo um acidente fatal de carro. Em seguida, a história volta no tempo para contar como essa amizade começou. Paul é um aspirante a ator que vive fazendo pequenos papéis em filmes franceses. Em um deles, conhece sua namorada Élisabeth (Céline). Os dois se apaixonam e viajam para Roma para visitar Frédéric.

Na capital italiana, Frédéric vive com a experiente atriz Angèle (Monica), famosa no cinema italiano, enquanto ele começa a se destacar como um talentoso pintor. Angèle, é claro, é sua musa e praticamente o inspirou em todas as criações. Vale o registro de uma cena em que Monica aparece nua, deitada em uma cama, como as musas do passado.

Em Roma, os casais de amigos vivenciam um período idílico regado a boa comida, bebida e passeios. Tudo passa a mudar quando Élisabeth e Paul percebem que esse não é o tipo de vida que eles querem levar e que é necessário buscar um trabalho decente. Por outro lado, Angèle não se sente mais tão feliz ao lado de Frédéric e ele passa a desconfiar da fidelidade dela. O problema é que Frédéric já teve vários casos extraconjugais, mas não aceita uma possível traição da mulher.

A partir dessa ruptura, os casais entram em diversas situações limites, chegando a um ponto insuportável em que não parece existir uma solução fácil para ninguém. A tensão entre eles vai permear toda a trama, até o trágico desfecho apresentado no início do filme.

Bons momentos
O diretor francês Phillipe Garrel, em declarações à mídia internacional, revelou que o longa foi feito porque, assim como o narrador do filme, ele também perdeu o melhor amigo. “Um amigo é alguém por quem você daria a vida”, disse ele.

Entre os prêmios que Garrel já conquistou, estão o Leão de Prata, recebido em 1991, no Festival de Veneza, pelo longa J’entends Plus la Guitarre. Em 2005, ele voltou a ser premiado com o Leão de Prata de direção por Amantes Constantes. O próprio Um Verão Escaldante também foi indicado em três categorias em Veneza, no ano passado. Com exceção de Monica Bellucci, o elenco e o roteirista Marc Cholodenko já trabalharam com diretor em Amantes Constantes.

Em Um Versão Escaldante, fica a mensagem de que nada trará a pessoa morta de volta. A única solução é relembrar os bons momentos juntos. É isso que aquele verão escaldante que os amigos passaram juntos pareceu ser: o melhor momento que tiveram na vida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.