Culpa é fardo de personagem em trama

O maçante discurso de uma rádio religiosa e a falta de fé na falas dos personagens formam o constante contraponto de Homens em Fúria, produção que acaba de estrear nos cinemas de todo o País. Com Robert De Niro, Edward Norton e Milla Jovovich no elenco

Estadão

24 de outubro de 2010 | 09h47

O maçante discurso de uma rádio religiosa e a falta de fé na falas dos personagens formam o constante contraponto de Homens em Fúria, produção que acaba de estrear nos cinemas de todo o País. Com Robert De Niro, Edward Norton e Milla Jovovich no elenco, a trama labiríntica apresenta a história de Jack (De Niro), um agente de condicional, que se envolve num triângulo amoroso repleto de manipulação e medo.

Contando os dias para se aposentar, Jack recebe o caso de Gerald (Edward Norton), apelidado de Stone, para ser avaliado. O início dos encontros com o presidiário começa a mexer com o sisudo policial. Diferentemente dos outros presos, Stone não usa Deus para convencer o agente de que é um novo homem, mas passa bastante tempo falando de sua mulher, a bela e insinuante Lucetta (Milla Jovovich), chegando a descrever o que ele e a mulher costumam fazer na cama.

Preso há oito anos, Stone foi responsável por incendiar a casa dos avós, após seu parceiro matá-los de forma brutal e sem motivo. Visitado constantemente pela mulher, ele aproveita uma dessas visitas e pede a ela que procure o agente Jack e tente persuadi-lo a autorizar sua condicional.

Sedução e suspense
Embora inicialmente se recuse a colaborar, Lucetta acaba cedendo e passa a telefonar para a casa do policial com frequência e de maneira extremamente inoportuna. Longe da cadeia, a mulher, definida por Stone como uma alienígena, se mostra sedutora e infiel. Com jeitinho e uma voz sussurrada, ela arrasta Jack para uma conversa sobre o caso do seu marido. No encontro, depois de falar sobre Stone, ela seduz o policial e o leva para casa. Depois de alguns drinques, eles acabam fazendo sexo. Preocupado, ele pede que aquilo fique em segredo e deixa o apartamento transtornado.

Paralelamente ao relacionamento com Stone e Lucetta, o filme mostra a complicada relação entre Jack e sua esposa, Madylyn (Frances Conroy). Logo nas primeira cenas da produção, quando o casal ainda era bem jovem, ela diz que vai deixá-lo. Na tentativa de fazê-la mudar de opinião, o policial ameaça a vida da própria filha, episódio que parece marcar a base dessa união.

A proximidade com Lucetta e a pressão para libertar Stone deixam Jack ainda mais abalado, inclusive em casa. Seu casamento e sua mulher também parecem prestes a desabar. Enquanto isso, a religião entra na vida de Stone. Para Jack, Deus vai aos poucos se tornando uma insuportável incógnita. As conversas com o pastor de sua igreja e os programas de rádio sobre o tema não conseguem fazer com que ele reencontre um sentido. Perdido, não parece mais capaz de aguentar o seu fardo. E ele não está sozinho.