Centenário do Timão

Estreia hoje o filme "Todo Poderoso: O Filme – 100 Anos de Timão". O longa é uma homenagem ao centenário do clube. O filme também estará à venda em DVD (R$ 29,90), nas redes de varejo e lojas de materiais esportivos e do Corinthians

Estadão

30 Julho 2010 | 07h09

Os jogadores Sócrates e Palhinha (Foto: Divulgação)

Os jogadores Sócrates e Palhinha (Foto: Divulgação)

Felipe Branco Cruz

Entre o ano passado e este, o Corinthians lançou o filme Fiel, mostrando a traumática queda do time para a Segunda Divisão, concluindo que todo torcedor do Timão é também sofredor. Depois, os dirigentes decidiram contar da histórica conquista do Campeonato Paulista de 1977, no filme 23 Anos em 7 Segundos, quando o clube quebrou o jejum de 23 anos sem ganhar nenhum título. Agora, é a vez de Todo Poderoso: O Filme – 100 Anos de Timão fechar a trilogia alvinegra. O longa é uma homenagem ao centenário do clube e estreia hoje, somente no Cine Bombril, no Conjunto Nacional, na Avenida Paulista. O filme também estará à venda em DVD (R$ 29,90), nas redes de varejo e lojas de materiais esportivos e do Corinthians.

Feito em forma de documentário, o longa tem 45 entrevistas com pessoas ligadas ao clube, desde filhos de ídolos do passado até o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, notório torcedor alvinegro. A ideia, segundo os diretores Ricardo Aidar e André Garolli, era contar os 100 anos do Corinthians em 100 minutos. No DVD estão incluídos, também, 100 minutos de extras que não serão exibidos no cinema. Com narração do ator Dan Stulbach – outro célebre corintiano –, o filme traz cenas inéditas de jogos do clube em 1929 e das décadas de 40 e 50. São exibidos, no total, mais de 200 gols do Timão. Atletas como Wladimir Santos, Ronaldo Giovanelli, Casagrande, Sócrates, Neto, Marcelinho, Rincón, Dinei, Ricardinho, Felipe e o ex-técnico Mano Menezes – atual comandante da Seleção Brasileira – falam de suas experiências no clube. O novo reforço do Corinthians, Roberto Carlos, também dá declarações. A falta mais sentida é do atacante Ronaldo Fenômeno. Dele só aparecem cenas em campo, mas o craque não dá nenhuma declaração.

O único problema é que o longa é piegas. Mostra, por exemplo, uma fanática torcida que acredita cegamente ser a melhor do mundo ou pelo menos a mais fanática. Por isso, não se trata de um filme recomendado a não-corintianos, que certamente irão se incomodar com tanta imparcialidade. De positivo, o documentário recria momentos importantes da história, como o lance do atacante Manuel Nunes, o Neco, que jogou nos anos 20 – conhecido por dar surras nos juízes com o cinto – e resgata entrevistas dadas há mais de 50 anos. Rappin’ Hood e Negra Li, outros notórios corintianos, compõem a trilha sonora, com a inédita Sou Corinthians.

Veja o trailer abaixo: