A história do amor da costureira e o poeta

Estreia nesta sexta-feira (25) "Brilho de uma Paixão", história da paixão entre o poeta inglês John Keats (Ben Whishaw, de Perfume) e a costureira Fanny Brawne (Abbie Cornish), na Inglaterra do início do século 19

Estadão

25 de junho de 2010 | 01h00

Fatty e Keats, uma costureira e um poeta, numa linda história de amor

Fatty e Keats, uma costureira e um poeta, numa linda história de amor

Pedro Antunes

A linha é delicadamente colocada na agulha. Cada vez que o tecido é perfurado, um novo ângulo. Sempre fechado na costura, e não na costureira. Vagarosamente, o plano se afasta, mostrando uma jovem morena, de rosto arredondado, costurando à beira da janela, observada pela irmã mais nova. Ao fundo, violinos suaves dão o tom melancólico da vida de Fanny Brawne (Abbie Cornish), na Inglaterra do início do século 19. Ela é personagem de “Brilho de Uma Paixão”, que estreia hoje.

Numa sociedade em que o papel das mulheres ainda era restrito a cuidar da casa e dos filhos, Brawne passava seus dias costurando suas próprias roupas e cuidando dos irmãos menores. Frequentava aulas de dança por imposição da mãe. Tudo para encontrar um bom marido nos muitos bailes de cortejo dos quais ela era obrigada a participar. Tudo muito enfadonho para uma jovem inquieta e proativa demais para a época.

Com uma vida social ativa, a família de Fanny frequenta a casa dos vizinhos para tomar o chá da tarde ou para jantar. Em muitos desses encontros, ela conhece John Keats (Ben Whishaw, de Perfume). Suas personalidades se completam. Ela é falante e expansiva e ele, reservado e sério.

Keats é um jovem poeta, sem uma libra no bolso, que mora na casa de um amigo. Fanny é ligada em moda e logo na primeira conversa esnoba o surrado casaco do rapaz. Ela, porém, começa a se interessar por ele, que a enche de galanteios. Quando o irmão mais novo do poeta morre, a relação do casal fica mais próxima.

Esperta, a moça procura o livro de poesias de Keats nas livrarias para conhecer mais o trabalho do pretendente e impressioná-lo. Lá, descobre o motivo da sua falta de dinheiro: o livro de estreia pouco vendeu. Fanny lê a obra, mas admite pouco entender a linguagem dos poemas. Começa a ler outros autores ingleses e pede a Keats para ter aulas de poesia. “São muito difíceis de se entender”, diz ela na primeira aula.

Naquele momento, a explicação de Keats não ensina só a entender um poema, e sim, a apreciar o próprio filme: “Ler poesia é se imaginar num lago, mas não nadar rapidamente até o outro lado para atravessá-lo. Deve-se aproveitar todos sentidos, a sensação da água envolvendo o seu corpo”. A explicação vale também para a plateia. No longa, tudo é mostrado com a calma da leitura de um poema, pausada e tranquilamente. A relação entre a costureira Fanny e o poeta Keats cresce ao longo das quase duas horas (o filme tem 119 minutos de duração), mas encontra um obstáculo a ser superado: a falta de dinheiro do poeta para casar com a amada. Na relação dos dois, tudo é virginal, com decoro, como ditavam os costumes da época. Muitas mãos dadas e pouquíssimos beijos.

Abbie Cornish e Ben Whishaw (Fanny e Keats, respectivamente) ainda estão no começo de suas carreiras como atores, mas souberam conduzir o romance com graciosidade e sutileza de veteranos. O longa, dirigido por Jane Campion, é baseado na real história de amor do poeta com a costureira. Pouco conhecido pelo público brasileiro, John Keats foi um grande poeta romântico inglês. O desafio da diretora era contar a história desse amor pelo outro lado, da amada de Keats, Fanny Brawne. Outro era fazer com que o filme fosse bem aceito fora dos países de língua inglesa.

Para aqueles que não conhecem a obra de Keats, o longa apresenta uma série de poemas recitados pelos atores durante as duas juras de amor. Num deles, Keats chama Fanny de “Bright Star”, o título original do longa, algo como “Estrela Brilhante”, em português, muito diferente de Brilho de Uma Paixão, nome escolhido para o filme no Brasil. Um deslize que não atrapalha a boa história, os belos poemas e os excelentes figurinos da costureira Panny. Estes, aliás, renderam ao longa a indicação ao Oscar de 2009.

Confira, abaixo, o trailer de “Brilho de uma Paixão”:

Tudo o que sabemos sobre:

DramaEstreiaPoesiaRomanceTrailer

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.