A história da exploração do homem pelo homem

O clássico alemão de ficção científica Metrópolis, dirigido por Fritz Lang e lançado em 1927, continua incrivelmente atual e será reexibido amanhã (domingo, 24), às 20h, dentro da programação da 34ª Mostra de Cinema de São Paulo. A projeção será ao ar livre, na área externa do Auditório Ibirapuera

Estadão

23 de outubro de 2010 | 11h25

O androide Maschinenmensch e o cientista louco do filme ‘Metrópolis’

O androide Maschinenmensch e o cientista louco do filme ‘Metrópolis’

Felipe Branco Cruz

O clássico alemão de ficção científica Metrópolis, dirigido por Fritz Lang e lançado em 1927, continua incrivelmente atual e será reexibido amanhã (domingo, 24), às 20h, dentro da programação da 34ª Mostra de Cinema de São Paulo. A projeção será ao ar livre, na área externa do Auditório Ibirapuera, num paredão de 43 metros de largura por 27 de altura. Como o filme é mudo, a exibição será acompanhada pelos 80 músicos da Orquestra Jazz Sinfônica, regida pelo maestro João Mauricio Galindo e que executará a trilha original, de Gottfried Huppertz. Antes, às 18h30, a Orquestra Furiosa do Auditório fará a abertura do evento.

A versão que será exibida no Auditório tem 2h30 de duração e foi restaurada pela Fundação Murnau, para o Festival de Berlim de 2008, na Alemanha. O filme original tinha cinco horas de duração, mas com o passar do tempo ele foi sendo recortado para se adaptar aos horários comerciais dos cinemas. Partes importantes da obra ficaram perdidas por décadas, até que um negativo de 16mm foi descoberto em Buenos Aires, na Argentina, em 2008.

O superintendente do Auditório Ibirapuera, Pena Schmidt, garante que a restauração está ótima. “Além disso, o público poderá chegar mais cedo, estender uma toalha, se acomodar na grama e fazer um belo piquenique enquanto assiste ao filme”, diz. “Dá para curtir o domingo no parque com um bom vinho, um bom filme e boas companhias”.

Pegada futurista
A história desse filme futurista, ambientado no século 21, fala sobre uma classe dominante, em que os ricos comandam os pobres. Os dominados vivem em cidades subterrâneas, onde trabalham sem parar para sustentar a boa vida dos ricos na superfície. Cansados dessa exploração, os pobres decidem fazer uma rebelião, liderados por Maria (interpretada por Brigitte Helm). Mas ao se associarem a um cientista, tudo dá errado. Esse cientista está construindo um robô capaz de substituir o trabalho dos humanos, mas isso só irá causar a discórdia e a destruição da humanidade. O robô, batizado de Maschinenmensch, também é interpretado por Brigitte.

O filme é considerado um dos expoentes do expressionismo alemão. Trata-se de uma excelente oportunidade de assistir a esse longa, já que é praticamente impossível encontrar cópias em DVD ou VHS. O filme despertou o interesse de Adolf Hitler, que chegou a pedir para o diretor fazer peças para a propaganda nazista. Lang recusou, fugiu para a França e fez filmes antinazistas.

Divirta-se:
‘Metrópolis’, com a Orquestra Jazz Sinfônica.
Amanhã, a partir das 18h30, na área externa do Auditório Ibirapuera.  Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº.
Grátis. Livre. Tel: 3629-1014
www.auditorioibirapuera.com.br