Compositor de sucessos forma dupla e já tem primeiro CD

Cristiane Bomfim

02 de abril de 2012 | 18h40

Por Cristiane Bomfim

Divulgação

Com mais de 350 músicas gravadas nas vozes de artistas como Edson e Hudson, Daniel e Zezé di Camargo e Luciano, mas ainda desconhecido do público que ouve música sertaneja, no meio de 2011 o compositor e produtor musical José Flavio Alencar Devesa, o Flavinho, decidiu investir de verdade na carreira de cantor e formou uma dupla com André Ferreira de Souza, o Chander, também músico.

“Eu conheço o Chander da época em que tocava em barzinhos, mas acabamos nos distanciando”, conta Flavinho. Na época, seu atual parceiro formava com o pai a dupla Chander e Chibante (que durou 20 anos). Encontros aqui e outros ali, e há três anos Chander pediu para Flavinho ser seu parceiro numa dupla pela primeira vez. “No fim de 2010 eu aceitei”, diz Flavinho.

Pouco tempo depois os dois foram para o estúdio e gravaram o primeiro CD, lançado no fim do ano passado. Escolheram, entre 12 faixas, Que Papo de Jacaré para ser a música de trabalho. A 13ª faixa é bônus. “É uma música bem humorada, que tem tudo a ver com a gente”, conta Chander. O álbum é praticamente autoral, sete músicas tem autoria de Flavinho, sendo duas junto com Chander.

Flavinho compõe há 12 anos e descobriu que era bom no assunto sem querer. Tudo porque em 1997 recebeu a missão de compor músicas sertanejas para a dupla Edson e Hudson. A ordem foi dada pelo empresário dos irmãos. “O Raulzinho, filho da Raul Gil chegou em casa com um monte de CDs de música country e disse que eu tinha 20 dias para escrever músicas novas”, lembra. Três entraram no álbum lançado naquele mesmo ano: Eu não sou como ele, Outra vez a paixão e Briga de Salão.

“Sabe que não foi difícil, não?”, brinca Flavinho que começou “com esses negócios de música” por necessidade. “Meu pai faleceu e meus três irmãos são mais novos que eu. Tinha que ajudar a levar o leite pra casa. “Pouco tempo depois, uma dupla amiga do meu pai ficou sabendo que eu estava tocando guitarra e me chamaram para tocar com eles. Passou um tempinho e eu já era o guitarrista mais requisitado na região da (Avenida) Robert Kennedy (avenida na zona sul da capital, com muito bares). Foi nessa época que Flavinho conheceu Chander. Sempre na noite paulistana, entre uma e outra apresentação.

Flavinho tocou na banda da dupla Tiãozinho e Alessandro, formada, respectivamente, pelos irmãos de Chitãozinho e Xororó e Leandro e Leonardo. A dupla não deu certo e assim que foi desfeita, Flavinho passou a ir mais para Limeira, no interior paulista, onde encontrava Edson e Hudson. “Eu andava mais com o Chander nessa época. Temos tantas histórias juntos”, diz.

Então, decidiu ser o principal artista e formou sua primeira dupla: Flávio e Alexandre. Não deu certo, porque segundo Flávinho, seu parceiro era “um pouco acomodado”. Foi só quando o pai de Chander deixou de cantar que Flavinho aceitou formar, finalmente, a parceria Chander e Flavinho.

Compositor
Para quem não sabe, Flavinho é o compositor de músicas como: Galera coração, Esqueça que eu te amo e Deixa eu te amar, todas de Edson e Hudson. E não para por aí. Zezé di Camargo e Luciano ganharam o Grammy Latino com a música Um amor pra vida inteira, que tem Flavinho como compositor, arranjador e músico.

Estão na lista também Vamos fazer festa (Edson e Hudson), Clube do batidão (Rionegro e Solimões), O carro dela quebrou (Rionegro e Solimões), Por amor vai sofrer (Daniel). “Como produtor e compositor eu já sou conceituado. Mas como dupla é novidade. Pouca gente conhece. Voltei ao zero, mas não tenho frio na barriga porque sou muito tranquilo. O Chander que quase desmaiou no nosso primeiro show”, denunciou Flavinho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.