César Menotti e Fabiano lotam Morro da Urca em gravação de DVD

Cristiane Bomfim

20 de agosto de 2012 | 23h20

POR CRISTIANE BOMFIM
cristiane.bomfim@estadao.com

“Quanta honra e satisfação nós temos nessa noite em subir um morro carioca e cantar”, declarou César Menotti na última sexta-feira, 17, minutos depois de inciar a segunda noite de show ao lado do irmão Fabiano. Para quem tinha dúvidas se a música sertaneja faz sucesso no Rio de Janeiro, César Menotti e Fabiano lotaram o Morro da Urca dois dias consecutivos durante a gravação do DVD ao vivo que marca o início das comemorações de 10 anos de carreira. As gravações ocorreram nos dias 16, quinta-feira, e 17, sexta.

“É claro que o sertanejo pegou no Rio, mas aqui nós preferimos as músicas mais animadas. Eu vim para ouvir a música Leilão, mas tô gostando até das inéditas”, explicou a médica Flávia Amaral, de 32 anos. Ela conheceu o namorado Rodrigo Machado, de 34 anos há 3 anos em uma festa sertaneja chamada quintaneja e escolheu o show de César Menotti e Fabiano

No primeiro dia, a dupla recebeu no palco Preta Gil, Jorge e Mateus, Santorine e o grupo de pagode Sorriso Maroto. Mas a presença de artistas não ficou restrita ao palco. Na plateia estavam ainda Latino, o ex-jogador de futebol Romário, o ginasta Diego Hypólito, o cantor Xande (do grupo de Revelação), o sertanejo Israel Novaes, além de atores e atrizes globais. O show foi longo e terminou com o dia amanhecendo. Preta Gil e Jorge e Mateus precisaram repetir muitas vezes as músicas selecionadas para eles no repertório.

Na sexta-feira ficou evidente que não era necessário participações especiais para ser um grande show. No repertório, César Menotti e Fabiano misturaram sucessos e músicas inéditas. Anjo, Palavras de Amor, Não era eu, Vida cigana, Por que não liga pra mim? e Estressada. Esta última é a nova de trabalho dos irmãos.

“Superou todas as expectativas. A gente sabia que ia ser bom, mas não sabia que ia ser tão bom. Foi maravilhoso”, contou ao César Menotti ao Jornal da Tarde. O público achou o mesmo. “Fui no primeiro show deles aqui no Rio de Janeiro. Ouço sertanejo desde os meus quatro anos de idade”, contou o empresário carioca Heitor Cassiano, de 26 anos, que foi ao Morro da urca acompanhado de seis amigos.

[galeria id=4104]

O meio da apresentação foi reservado aos clássicos da música sertaneja. Ao contrário da maioria das duplas, César Menotti e Fabiano deixaram de lado os clichês e só para começar escolheram a bonita Tocando em Frente para homenagear o pai. “Aprendemos a cantar essa música com nosso pai”, disse  César Menotti. Essa não foi a única de Almir Sater: a dupla também interpretou Chalana.  Depois vieram Boiadeiro errante e O mineiro e o italiano. “Moda de viola é música para gente inteligente. Tem começo, meio e fim. Tem que prestar atenção para entender”, disse Fabiano.

Os dois dias de show

“Foi muito mais do que esperávamos. A receptividade do público com relação às músicas inéditas… É sempre muito difícil gravar música inédita em um DVD, mas o povo colaborou demais. Sacudiu. Agitou. Correspondeu muito mais do que imaginávamos. E algumas músicas são muito fáceis de cantar. E isso enriqueceu muito. O resultado é maravilhoso”, disse Fabiano.

“O primeiro dia foi mais longo, mas em compensação teve convidados que agradaram muito o público. E quando se trata de um DVD, imagino que as pessoas já venham um pouco preparadas para isso. Para parar, voltar uma música, o convidado cantar duas ou três vezes. Hoje, viemos só para garantir os takes mesmo”, César Menotti.

Morro da Urca

“Eu acho que isso (lotar o Morro da Urca) faz valer a nossa batalha de não se render a algumas situações comerciais e insistir na musica sertaneja de verdade. Isso nos dá ânimo para pensar que estamos no caminho certo”, disse César Menotti.

“Eu acho que fomos um pouco atrevidos por gravar em um local assim muito especial, um cartão postal e no Rio de Janeiro. Mexer com música sertaneja em um lugar que até então não se falava muito não é muito fácil. Mas estamos colhendo frutos de longos anos aqui no Rio e por isso nós imaginamos que fosse ser legal, mas foi maravilhoso”, confessou Fabiano.

Emoção

“Sem dúvida a parte das modas viola foi a mais emocionante porque fizemos uma homenagem ao nosso pai. Com músicas que nós já cantamos há muito tempo e já estão no nosso show e que retratam o que a gente gosta de cantar”, César Menotti.

“Acho que desde o dia que começamos a pensar em gravar aqui tudo está sendo emocionante. Cada vitória, por menor que seja, é uma conquista, uma emoção, uma alegria. E terminar sabendo que foi tudo 100% é maravilhoso”