Álbum dos brutos do sertanejo é homenagem a Tião Carreiro

Cristiane Bomfim

13 de dezembro de 2011 | 18h45

Por Cristiane Bomfim

No fim de semana consegui ouvir com atenção os dois novos CDs de João Carreiro e Capataz, que está disponível para download desde a semana passada. O sétimo trabalho da dupla que comemora dez anos de carreira em 2012 é duplo e ganhou o nome de Lado A e Lado B e tem como característica principal ser autoral. A maioria das composições é de João Carreiro.

A dupla não teve medo de arriscar e dividiu as 40 faixas em dois CDS. Se no Lado B, boa parte das 18 faixas já são conhecidas do público – é o caso de É pra cabá, Mangueira, Roqueirinha, Volta pro meu coração e É bão demais –, o Lado A tem a cara dos Brutos do Sertanejo, que se preocupam – ao contrário de muita dupla da moda – mais em cantar música boa do que fazer sucesso meteórico.

No ano passado, durante a entrevista que fiz com os dois para o C2+Música, do Estadão, João Carreiro deixou bem claro que não se preocupava com as críticas ou com o que seria publicado no jornal. Disse não gostar desse tal de sertanejo universitário e achar difícil compor músicas para tocar nas rádios.

No Lado A estão 22 faixas com cara da música sertaneja que quase não toca nas rádios hoje em dia. Aquele tipo de música que lembra a roça, daquelas que meu avô ouvia quando eu era pequena. São histórias da vida simples no campo (como em Caipira de Fato e Casinha Verde), de amores quase inocentes, da viola (tem até homenagem a Tião Carreiro na faixa A tradição não morre jamais) e da fé do caipira (O encardido não combina e Oração em canturia)

Tem até crítica ao que se chama de sertanejo hoje em dia na música Não toca em minha vitrola. Ela começa assim: “Esquecendo da cultura / Tão mudando a postura / Só pra fugir do lugar / É o sertanejo moderno / Brinco de argola e terno / Só canta comercial”. 

Para quem quer ir além das rimas fáceis, das mãozinhas para cima, é um dos melhores trabalhos do ano. No CD Lado B, merecem destaque Cadê, que tem participação de Matogrosso e Mathias, e Sete Sentidos, cantada com Rionegro e Solimões. A dupla Gino e Geno interpreta Mangueira.

Conheça as faixas:

Lado A:

1 – Não toca em minha vitrola

2 – A tradição não morre jamais

3 – Caipira de fato

4 – Viola e cantador

5 – Lampião

6 – Casinha Verde

7 – O encardido não domina

8 – Oração em canturia

9 – Aniversário

10 – Se é amor não tem nada que apague

11 – Maldade de um falso amor

12 – Vou achar outra saída

13 – Sacada do apartamento

14 – Primeiro brinquedo

15 – Você nunca me amou

16 – Sonho de caboclo

17 – Buscando a Felicidade

18 – Presente especial

19 – Mera ilusão

20 – Sertanejo solitário

21 – Pergunte a ela

21 – São Jose

Lado B:

1 – Cemo porque cemo

2 – Ela é muito boa

3 – O que essa moça fez aqui

4 – É pra cabá

5 – Cadê

6 – É bão demais

7 – Volta pro meu coração

8 – Saudade doce

9 – Pirei o cabeção

10 – Sete sentidos

11 – To te querendo

12 – saci

13 – É judiação

14 – Papel em branco

15 – Melhor do Brasil

16 – Mangueira

17 – Roqueirinha

18 – Sarafa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.