Venda porta a porta de livros fatura mais que e-Book

Venda porta a porta de livros fatura mais que e-Book

Marcelo Rubens Paiva

25 de junho de 2015 | 12h09

selling

 

“Blin-blon, a senhora quer comprar uma enciclopédia?”

Por que o e-Book não decola no Brasil?

Porque uma turista chilena semanas atrás foi esfaqueada e roubada na Glória, Rio de Janeiro, ao sacar seu tablet e pen-drive.

Porque ninguém tem coragem de abrir a bolsa ou mochila e pegar seu tablet no trem, metrô, busão, numa praça, num ponto de ônibus, num café na calçada.

Porque enquanto na maioria dos países os usuários de transporte público sentem-se à vontade com seus tabletes, o brasileiro tem um olho no bolso e outro nos passageiros vizinhos.

No Brasil, tudo é mesmo diferente.

A vítima é um dos mercados que mais crescem no mundo, o do leitor digital em EPUB ou PDF e seus derivados como Kindle, iPad, Kobi, Nook…

Por outro lado, surpresa: o segmento de venda direta de livros, o velho e bom “venda porta a porta”, fatura R$ 1.354.009.673 e se consolida como o segundo canal de vendas de livros mais importante.

O setor cresceu 25% entre 2013 e 2014, ficando à frente da internet e atrás apenas das livrarias.

A informação é da recente pesquisa “Perfil Setorial”, encomendada pela ABDL (Associação Brasileira de Difusão do Livro).

O aumento nas vendas de livros porta a porta se deu graças a iniciativas como novos benefícios aos associados: de convênio médicos até descontos na compra de carros.

E a maioria dos empresários entrevistados quer ampliar os investimentos a serem direcionados às suas equipes comerciais em 2015.

“Em um cenário econômico conturbado, o associativismo ganha impulso e, o que nos gratifica mais, ganha também reconhecimento, apoio e participação, criando um ciclo virtuoso capaz de manter e ampliar a difusão do livro”, avalia Leonardo Ricardo de Carvalho, presidente da ABDL.

Ao contrário das enciclopédias, que deram origem às atividades das vendas porta a porta no setor, os livros “infantis e infanto-juvenis” lideraram o ranking das publicações com maior participação no faturamento (47%), seguidos dos livros que compõem as outras categorias analisadas, como “referência, pedagógicos, dicionários e enciclopédias” (21%), “literatura e paradidádicos” (12,5%), “religioso” (9%), “técnico, científico e de enfermagem” (8%), “auto-ajuda” (1,5%) e outros (0,5%).

O faturamento anual do segmento porta a porta nos últimos três anos:

2012:     R$ 984.968.229,49

2013:     R$ 1.081.801.651,89

2014:     R$ 1.354.009.673,85