tuidiotices

tuidiotices

Marcelo Rubens Paiva

04 de novembro de 2010 | 12h23

Testemunhamos diariamente em nossos emails, blogs, redes sociais, o mais perverso dos sentimentos: o preconceito.

O sujeito em casa, diante do seu teclado, se sente livre para expor seu amor e ódio publicamente.

Foi o que levou a estudante paulista de Direito, Mayara Pertuso, ao escrever uma mensagem racista no Twitter no último sábado, depois da apuração das urnas, que deu na vitória de DILMA.

“Nordestino não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado”, escreveu.

O que faz uma garota escrever isso numa rede social?

O preconceito transparece junto ao suposto anonimato da internet.

Aqui mesmo, já me chamaram de “aleijado”.

E é evidente que blogueiros e tuiteiros devem agora dar um basta e acionar os órgãos de defesa.

Porque os tuidiotas estão por toda a parte.

Se a liberdade é a essência da internet, a decência deve vir acompanhada.

A estudante foi demitida ontem do escritório de advocacia Peixoto e Cury Advogados, onde estagiava, e vira alvo de ação da seccional de Pernambuco da OAB.

O objetivo da ação que será apresentada ao Ministério Público é responsabilizá-la pelos crimes de racismo, que tem pena de reclusão de 2 a 5 anos e é inafiançável, e de incitação pública, com pena de 3 a 6 meses de reclusão ou multa.

A loucura da estudante se estendeu ao Facebook: “Afunda, Brasil. Deem direito de voto pros nordestinos e afundem o país de quem trabalha pra sustentar vagabundos que fazem filhos pra ganhar bolsa 171.”

Esta menina tem problemas.

Um simples pedido de desculpa resolve?

E é uma estudante de Direito.

O horror…

+++

Sexta estreia o monólogo LÁ FORA, ALGUM PÁSSARO DÁ BOM DIA no SATYROS 1.

Depois de eu dirigir meus 2 últimos textos, A NOITE MAIS FRIA DO ANO [em 2009] e O PREDADOR ENTRA NA SALA [em 2010], a autora PRISCILA NICOLIELO me chamou para dirigir o seu texto.

É a primeira vez que dirijo um texto que não é de minha autoria.

Confesso que estou adorando a nova possibilidade de apenas dirigir.

E a aprender o que é trabalhar num texto de uma autora presente.

Com GABRIELA ROSAS, a peça fala de uma garota solitária que se apaixona pelo carteiro e passa a escrever cartas para ela mesma, para receber a visita dele. Até o dia em que ele passa dos limites, e a garota vê a sua vida se transformar.

Em um texto que alia poesia à dramaturgia.

Fica novembro e dezembro no SATYROS 1, da Praça Roosevelt, às sextas e sábados, 23 h.

+++

Hoje tem II FESTIVAL DE PEÇAS DE UM MINUTO no ESPAÇO PARLAPATÕES.

As 35 peças participantes foram selecionadas em um concurso com mais de 140 textos inscritos, de mais de 90 autores de todo o Brasil.

Tem 1 texto meu ali, O MORTO SUMIU.

Além das peças selecionadas, os Parlapatões escolheram uma que participou da primeira edição, Todo Mal Contém o Bem ou Vice-Versa, de Reinaldo Maia, falecido no ano passado, homenageado nesse ano.

Diretores: André Garolli, Claudinei Brandão, Kleber Montanheiro, Marcos Loureiro, Pedro Granato e Roney Facchini

Elenco: Alexandre Bamba, Angela Figueiredo, Fabek Capreri, Fernanda Cunha, Hélio Pottes, Hugo Possolo, Jackeline Obrigon, Maira Chasseroux , Paula Cohen, Raul Barretto e Ronaldo Cahin

Todas as quintas às 21h

Ingressos: R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia)

+++

E amanhã estamos em cartaz no TEATRO FOLHA com a peça TE AMO, SÃO PAULO.

Dez textos de dez dramaturgos.

Um deles, meu: BEIJO NO ROSTO.

Além de:

A Última Vez que Te Matei, de Mário Bortolotto,

Direção –  Alexandre Reinecke

O Amor em Conta-Gotas, de Sérgio Roveri

Direção – Roberto Lage

Bença, Mãe, de Dib Carneiro Neto

Direção – Francisco Medeiros

Consolação, de Becky e Isser Korik

Direção – Alexandre Reinecke

Beijo no Rosto, de Marcelo Rubens Paiva

Direção – Zé Henrique de Paula

Eu Sei que Você Vem, de Walcyr Carrasco

Direção – Zé Henrique de Paula

Cine Bijou, de Mário Viana

Direção – Roberto Lage

Vão Livre, de Fábio Torres

Direção – Caco Ciocler

e

Hora da Batida, de Marília Toledo

Direção – Francisco Medeiros

Isser Korik é o diretor artístico.

Produção da Conteúdo Teatral: www.conteudoteatral.com.br

+++

Minha amiga e grande atriz LULU PAVARIN, que autou na minha primeira peça, 525 LINHAS, em 1989,  também está em cartaz no ESPAÇO PARLAPATÕES.

Agora aos sábados, meia-noite.

Num hilário monólogo com direção do MARIO BORTOLOTTO, COMO SER UMA PESSOA PIOR.

+++

E o próprio MARIÃO dirige JON FOSSE,  um dos meus autores preferidos. A peça NOTURNOS, também no PARLAPATÕES.

Estreia sábado.

Não vou perder.

Acabaram, as eleições, e voltamos com tudo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: