Torpedos ki entrariam pra história – 2

Torpedos ki entrariam pra história – 2

Marcelo Rubens Paiva

15 de setembro de 2009 | 00h26

“Belo.”
“Fala, ragazza mia.”
“Io ti voglio tanto…”
“Anche io.”
“Senti. Precisamos conversar.”
“DR agora?!”
“Nem.”
“Relaxa, gata. Não liga pro ki eles dizem.”
“Tomei veneno, mas de mentirinha.”
“Cumâ?”
“Vou acordar daqui a pouco.”
“Pirou, Julieta?”
“Idéia do cara aí.”
“É falso?”
“É 1 truke.”
“Tu não morreu?”
“Nem. Durmo. Rsrsrsrs.”
“Não tem graça.”
“Pq, amore mio?”
“Putz, dancei.”
“O ki aprontou dessa vez, meu Romeu.”
“Só agora vc me diz?”
“Pq?”
“Não sei como te dizer.”
“Não recebeu minha msg anterior?”
“Nem.”
“Te expliquei tudo nela.”
“Este celula é uma droga.”
“Diz. Ki tá pegando?”
“Espera vc acordar.”
“Agora diz.”
“Tarde demais.”
“Kd vc?”
“…”
“Kd vc?”

“Independência ou morte.”
“Kd vc?”
“Margem do Ipiranga”
“Onde fica?”
“SP.”
“Fazendo o quê?”
“Proclamando a independência.”
“Pra quê?”
“Pra sermos livres.”
“Não zoa”
“Não tô zoando. Tô de boa.”
“Sério?”
“Tô com a espada embainhada.”
“Vc sempre tá. Kkkk.”
“Kkkk. Agora é a de aço.”
“Picaço? Kkkk.”
“Rsrsrsrs.”
“Teu pai não vai gostar.”
“Dane-se.”
“Nem tua mãe.”
“Ki mêda.”
“Tá falando sério?”
“Pó’dexá ki me entendo com eles.”
“Óia, pois…”
“É nóis na fita.”
“Tu é portuga rapaz.”
“Já é. Sou brazuca agora.”
“Tô fora.”
“Pode ir. Eu fico.”
“Tá doido?”
“Tô de boa.”

+++

“Não pergunte o ki seu país pode fazer por vc…”
“E?”
“Pergunte o ki vc pode fazer pelo seu país.”
“?!”
“Meu discurso.”
“Curti.”
“Ki tá fazendo?”
“Casa.”
“Vestindo?”
“Só chanel 5.”
“Humm…”
“Vem aki.”
“Não dá.”
“Rádio patroa t’aí?”
“Na Casa Branca.”
“Mala.”
“Keria tá aí.”
“Vou dormir.”
“Agora?”
“Pra sempre.”
“Não seja dramática. Atrizes…”
“Happy birthday, mister president.”
“De novo?”
“Mande bjs pro irmão.”
“Vou ficar com ciúmes.”
“Pode ficar. Ele gosta de mim.”
“Galinha…”
“Ó kem fala?”

“Kd tu?”
“Na caverna.”
“Qual?”
“Alá é gde.”
“Alá é gde? Não conheço.”
“Não posso falar o nome dela, anta.”
“Kkkkk, sorry.”
“Alá é gde.”
“Alá é gde. Tá frio aí?”
“O que vc acha?
“Precisamos de 1 homem-bomba. Pra ontem.”
“Tamo sem.”
“Serve uma mina-bomba.”
“Ki mina? Só tem cabra aqui.”
“Tem alguma bomba?”
“Só herô. Da boa. Ta’fim?”
“Nem. Keremos fazer 1 atentado.”
“Alá é gde.”
“Alá é gde.”
“Mto boa idéia. Mas tô sem bomba, sem contato, isolado.”
“Não tem nada aí, Bin?”
“Só Alá. Mais ng.”
“Putz.”
“Fica pra próxima.”
“Valeu.”
“Pega um avião.”
“?”
“Explode ele num prédio.”
“Jesus, como não tinha… Quer dizer…”
“Alá é gde.”
“Valeu a dica.”
“Dê notícias.”
“Pega Al Jazeera aí?”
“Nem.”
“Falô.”
“Valeu.”
“OK.”

“Kd vc?”
“Índia.”
“Tem certeza.”
“Si, hombre.”
“Ki tal?”
“Praia, azul do mar, calor, coquetel de frutas.”
“Kkkk.”
“Sussa.”
“Tem mina com turbante?”
“Nem. Todas peladas.”
“Rsrsrsrs.”
“É nóis!”
“Tem homem fazendo ioga?”
“Nem. Todos dançando na fogueira.”
“Tão comendo o quê?”
“Deix’eu ver. Putz, nojo. Um pé.”
“De alface?”
“De gente.”
“Putz. Na Índia não comem carne.”
“Si.”
“Errou de caminho.”
“Será?”
“Rsrsrsrs.”
“Errei feio.”
“Tá onde?”
“Sei lá.”
“Ki mais eles comem.”
“Braços.”
“Sai fora.”
“Disseram ki tem ouro mais pra lá.”
“Bora?”
“Bora.”
“Como chama esse lugar aí?”
“Tem nome não.”
“Dá um.”
“Como chama aquele nosso navegador?”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.