‘Senhoras e senhores’ não pode mais

‘Senhoras e senhores’ não pode mais

Marcelo Rubens Paiva

17 de outubro de 2019 | 11h12

“Brasileiros e brasileiras…”? Não pode mais.

“Companheiros e companheiras…”? Também, não.

“Senhoras e senhores”? Melhor não.

“Ladies and gentlemen…”? Proibido, agora.

“Mesdames et messieurs…”? Ce n’ets pas possible.

A decisão louvável e precursora da Air Canadian de proibir saudações que soariam discriminatórias contra aqueles que não se identificam com nenhum dos dois gêneros pode se generalizar.

Por recomendação da companhia conhecida por ser a que mais investe em diversidade, pilotos, comissários de bordo e funcionários do solo se dirigem aos passageiros agora como “everybody” e “tout le monde”, ou todos vocês, todo mundo.

Isso para que algumas pessoas não se sintam excluídas.

O passageiro também pode agora comprar ou reservar bilhetes sem identificar o gênero, ou seja, pode colocar um “X” ao invés do “M” ou “F”.

E a moda vai pegar, pode apostar.

Sugestões para as companhias brasileiras:

“Gente, quem fala aqui é o comandante…”

“Aí, galera, mantenha os cintos atados.”

“Turma, pode usar os aparelhos eletrônicos agora.”