revolução

revolução

Marcelo Rubens Paiva

12 Abril 2011 | 14h33

AMOR E REVOLUÇÃO, novela do SBT sobre a ditadura, começa logo depois do RATINHO.

Que ontem abraçava uma boneca inflável vibratória e falava de taras masculinas [mulheres fantasiadas de enfermeira, bombeira…] para um auditório vibrante, inclusive com algumas adolescentes.

Esqueceram da tara por aeromoças.

No SBT do SILVIO, que ganhou a concessão da falida TUPI, derrotando gigantes do meio, como a EDITORA ABRIL, após lua-de-mel lambuzada com a ditadura e o governo FIGUEIREDO.

Lembram-se do DIA DO PRESIDENTE?

SILVIO já apoiou a ditadura, o governo LULA [Bolinhagate] e agora namora DILMA?

Corta.

A abertura da novela imita a cartolina e selos obrigatórios em programas sob Censura da época.

Ótima ideia.

Todo programa tinha de ser previamente aprovado pela POLÍCIA FEDERAL, Dona Solange e alguns seres do outro planeta, que mandavam e desmandavam, obrigando NELSON RODRIGUES, PLINIO MARCOS, DIAS GOMES, RUBEM FONSECA, CHICO BUARQUE e alguns outros artistas de talento duvidoso a peregrinações em Brasília, em busca do entendimento do que a sociedade brasileira poderia assistir, ler e ouvir.

Como era insana esta época…

Na novela, a pancadaria corre solta: tortura, cadeira do dragão, choques, espancamentos…

Novela feita para quem tem fígado saudável.

Trilha de CHICO, MILTON.

CAMINHANDO E CANTANDO é tocada em várias versões.

Todos assinaram autorização?

Quero ver se entrarão os TROPICALISTAS e a polêmica das guitarras elétricas.

Vi no sábado um capítulo ágil, que depois descobri ser o resumão da semana.

Tem discussão sobre amor livre, virgindade, papel das mulheres.

E não entendi o que um grupo paramilitar fazia encapuzado num sítio, cercando alguns jovens do “MRB” que discutiam a revolução, que poderia transformar o Brasil num “Cubão”.

Foram massacrados.

A paixão por um milico contra o golpe e uma líder da UNE, uma gatinha com semblante bem melhor e mais cabelos do que SERRA, o verdadeiro presidente da UNE em 1964, rende.

Certamente ela entrará pra guerrilha, e ele a seguirá. Uma inspiração sem verossimilhança do casal IARA-LAMARCA.

O pai dele, um general de linha dura, cruzará seus camimnhos.  Matará ele, talvez, ao final. Depois de torturá-la e matá-la.

Em seguida, vem o GOLPE DE 64.

A novela discorda da tese de ÉLIO GASPARI, na sua série DITADURA ENVERGONHADA, ESCANCARADA, DERROTADA e ENCURRALADA, de que se os militares não dessem o golpe, Jango daria.

Defende que fora um golpe com apoio americano, que retira um governo democrático, cujas regras constitucionais foram rasgadas. Tese que a esquerda defende e que parece mais óbvia.

Um erro histórico da novela vira um erro na própria trama: na verdade, não havia nenhum MRB ou qualquer movimento que defendesse a luta armada antes do GOLPE MILITAR.

A esquerda estava dividida entre o PCB e o PCB, ou seja, unificada num mesmo projeto.

Foi o golpe que a estilhaçou.

Os reformistas preferiam a reação com o trabalho de massas do que pegar em armas.

O racha partiu pro confronto em diversas frentes: foquistas, leninistas, maoistas, alguns com treinamento em Cuba, outros na selva, outros priorizando a guerrilha urbana, no meio estudantil, operário ou nas forças armadas.

Daí, sim, surgiram os movimentos de luta armada, os MRBs.

Na verdade, as VPR, ALN, MR-8, Val-Palmares, da companheira DILMA, o PC do B e outros.

O primeiro foi liderado por BRIZOLA, o MNR, com apoio e, dizem, grana de FIDEL.

Rechaçado em 1967 pela PM mineira em CAPARÓ.

E me pergunto se a licença poética continuará.

Ora, é apenas uma novela.

De algo que aconteceu há quase 50 anos.

Devemos ser rigorosos com o folhetim?

+++

Dizem que tem militar que tirou o pijama para pedir o cancelamento da novela de Tiago Santiago.

Escreveram num portal militar.

É óbvio que o governo federal através a comissão da verdade, recém-criada, está participando do acordo em exibir a novela Amor e Revolução no SBT. Parece-nos que se trata de um a acordo firmado com o empresário Silvio Santos, visando o saneamento do Banco Panamericano do próprio empresário. As forças armadas não devem permitir, dentro da legalidade, que tal novela seja exibida, pelos motivos óbvios abaixo declarados. Convém salientar que as forças armadas já se manifestaram negativamente a respeito da novela Amor e

Revolução“.

E terminam: “Sendo assim, o efetivo das forças armadas, tanto da ativa como inativos e pensionistas, vêm respeitosamente através desse abaixo assinado, como um instrumento democrático, solicitar do digno Ministério Público Federal, representado acima, providências em defesa da normalidade constitucional, vista o cumprimento da lei de anistia existente, conforme já decidiu o Supremo Tribunal Federal. Nestes termos pede deferimento em caráter urgentíssimo“.

Não encontrei o tal site.

Se existe mesmo o manifesto, serviu para criar polêmica e quem sabe aumentar a audiência da novela.

Mas é evidente que são outros tempos e não existem meios de censurá-la.

Mas o que estaria pegando, pra causar a ira em parte da caserna?

Lógico, a COMISSÃO DA VERDADE, que nem foi instalada.

E pensar que tudo isso faz quase 50 anos

Na verdade, enquanto ela não for instalada ficaremos mais 50 anos debatendo.

+++

Tem gente me perguntando aqui.

Se o SBT me procurou para dar um depoimento.

Sim.

Até para colaborar na teledramaturgia.

Preferi ficar de fora.

Já dei a minha versão da história em 2 livros e diversas crônicas, entrevistas, artigos…

Melhor para todos que as novas gerações falem agora.

No mais, já sabemos como termina.

Se é que termina.