rei deposto

rei deposto

Marcelo Rubens Paiva

02 de maio de 2011 | 23h10

Havia 1 rei que reinava sozinho.

Foi preparado desde a infância.

Seu castelo foi reformado

E reinou.

Até o dia em que seu dono resolveu comprar apetrechos.

Ficou maravilhado pela quantidade de tipos de ração, areia, bebedouros, brinquedos.

Ração orgânica, diet, de R$ 4, de R$ 80.

Brinquedos inúteis, já que gatos se divertem até com um papel.

Bebedouros de água corrente, a nova novidade unanimidade entre os veterinários, que defendem que os problemas renais dos felinos são causados pela ingerência de pouco líquido, já que os mesmos preferem água corrente.

Eu sabia que deveria manter distância da ala de adoções.

Fomos apenas xeretar, depois de guardar as compras no carro.

E saímos com este ser mutante. Parece um camundongo, mas é 1 gato.

Que sabe grudar.

Dar palpite.

E até onde se acomodar na carona.

Que criou um draaamaaaa caseiro, já que o ciúme passou a ser conhecido pelo anterior.

Alternando o equilíbrio de antes um lar calmo.

E me pergunto o que nos faz provocar mudanças numa vida rotineira e acomodada.

Deve haver um masoquismo hibernado que gosta de provocar a vida pacata.

Porque o tédio é bem amigo do vazio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.