Que Cláudio?

Que Cláudio?

Marcelo Rubens Paiva

25 de julho de 2014 | 12h11

 

É polêmica a construção do Aeroporto em Cláudio, MG, que já está sendo conhecido como o Aeroporto do Aécio.

Foi construído com dinheiro público em terras que foram de um tio avô, Múcio Tolentino, compradas sem licitação, a quilômetros da fazenda da sua avó, Risoleta.

Não tem autorização da Anac para funcionar e recebe 1 voo por mês.

Mas uma pergunta ninguém faz: quem foi Cláudio?

Um primo de Aécio?

É uma cidade familiar?

Cidades não costumam se chamar Cláudio, Clóvis Sérgio, Fábio.

Assim como pessoas não se chamam São José do Rio Pardo, Pindamonhangaba, Florianópolis.

“Prazer, Itaquaquecetuba, e essa é Bagé, minha mulher.”

Cidades ou têm nome de santo ou de acidente geográfico ou a composição de ambos.

São José do Rio Preto não foi primo de Ribeirão Preto.

E Cláudio não foi primo de Aécio.

Foi um escravo que encontrou um ribeirão na região de garimpo e o chamou de Ribeirão Cláudio.

Antes que a polêmica se estenda: o Distrito de Aparecida do Cláudio foi criado em 8 de junho de 1858. Em 1923 passou a se chamar Cláudio [Lei Estadual nº 843]. Em 1925, elevou-se à categoria de cidade.

Agora, quanto ao aeroporto, ficam devendo explicações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: