proletários do mundo todo, comprai

proletários do mundo todo, comprai

Marcelo Rubens Paiva

12 Julho 2012 | 12h40

 

 

MasterCard  e o banco alemão Sparkasse Chemnitz fizeram uma votação entre internautas para escolher quem ou o que merecia estampar seus cartões.

Votaram em monumentos, paisagens, esportistas e políticos.

Deu Karl Marx.

Revelando o bom humor dos alemães e a prova irrefutável de que as ideologias já eram.

E JOÃOSINHO TRINTA profetizou:  Quem gosta de pobreza é intelectual.

O proletariado quer mais é consumir.

Trabalhadores do mundo todo querem crédito.

Na Guerra Fria de hoje, combatem iPhone X Android, Face X G+, PC X Mac, Google X Explorer.

O maniqueísmo inerente se transferiu para redes virtuais e brinquedinhos eletrônicos.

Mimos que em 36 vezes no cartão podem se tornar reais.

Se no colapso da URSS o primeiro estabelecimento a abrir foi um MCDONALDS a metros da Praça Vermelha e do túmulo do Lenin, e se chineses do novo regime híbrido da terra de MAO fazem fila para comprar um BIG MAC, o troco foi dado.

Ideologia, CAZUZA, não é preciso mais de uma para viver?

Ninguém mais consegue viver sem uma tela e teclado à frente. E um cartão no bolso.