politização premiada

politização premiada

Marcelo Rubens Paiva

24 de setembro de 2012 | 18h11

Premiação de ontem do EMMY para os melhores da TV mostra a politização dos gêneros.

Drama: A série HOMELAND, sobre um ex-fuzileiro que se converte para o Islã e passa a trabalhar para a Al-Qaeda, faturou os mais importantes prêmios, deixando a série MADMEN comendo poeira.

Curiosamente, a quinta temporada de MADMEN é a mais ousada e para muitos a melhor: soturna, baixo-astral, retrata o início da contracultura e do fim das ilusões.

Mas HOMELAND mereceu cada prêmio, tanto a dupla de atores protagonistas, Claire Danes [que apareceu grávida], como Carrie Mathison, oficial de operações da CIA, e o inglês Damian Lewis, sargento Nicholas Brody, como o de melhor roteiro [apesar de ser uma série baseada noutra israelense].

Filme: Melhor telefilme foi para o impagável GAME CHANGE, sobre a atrapalhada e absolutamente ignorante SARAH PALIN, conservadora radical escolhida para ser vice dos republicanos contra OBAMA na última eleição.

JULIANNE MOORE, quem deu vida à bizarra governadora do Alaska, ganhou como melhor atriz de filme.

A hilária e absurdamente em forma Julia Louis Dreyus [eterna Elaine de Seinfeld], que faz a atrapalhada e inútil vice-presidente americana na série VEEP, da HBO, faturou melhor atriz cômica. Justíssimo.

A série deveria também ter ganho melhor comédia.

Curiosamente, os indicados e o vencedor de melhor programa de “variedades” são todos assentados na sátira política.

Irônicos, pegam pesado na onda conservadora americana, The Saily Show, com Jon Stewart, The Colbert report, Real time with Bill Maher, SNL, Jimmy Kimmel live.

Ganhou o de Jon Stewart.

A TV lá mostra o quanto o país está interessado em discutir seus conflitos internos e externos, os rumos que toma, a crença e descrença pelo Poder.

Inclusive as séries novas, como THE NEWSROOM.

No mais, casamento gay e liberação das drogas continuam em pauta.

Enquanto aqui…

Nem beijinho na tela rolou.

 

 

Ninguém fala dela, mas a carioquíssima radicada nos Estados Unidos desde os 7 anos, MORENA BACCARIN, ganharia fácil o prêmio de Mais Gata Série Drama da TV.

Ela faz a esposa do Sargento Brody, de HOMELAND, que tenta trazer o marido para o núcleo familiar, contra tudo e contra todos.

A brazuca é filha do jornalista Fernando Baccarin e da atriz Vera Setta, que atuou no filme O Vampiro de Copacabana, de 1976.

Curiosamente, durante a cerimônia do EMMY 2012 de ontem, transmitido pela sacal WB-TV [a emissora que mais comerciais tem do planeta], o CANAL BRASIL exibia O Vampiro de Copacabana.

MORENA foi colega de escola de Claire Danes.

Mundo pequeno…

+++

Essa WB TV merecia uma blitz da ANATEL ou PROCON.

Está na lista de canais pagos, mas abusa da paciência com a quantidade de comerciais. Como twittei ontem, tem tanto comercial que deveriam nos pagar para assisti-lo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.