os vícios e a história

os vícios e a história

Marcelo Rubens Paiva

10 de maio de 2012 | 12h19

 

O escritor Iain Gately, que estudou Direito em Cambridge (UK), gosta de provocar teses sensíveis à saúde pública, com dados empíricos e muita pesquisa.

Em seu primeiro livro, A Cultural History of Alcohol, escreveu que os pileques dos nossos antepassados fariam os de hoje parecerem festinhas em conventos.

Desde que se descobriu que o álcool tem ação inibidora sobre neurônios dopaminérgicos do sistema límbico, o porre tem assento cativo na história do mundo ocidental e oriental.

No segundo, Tobacco: A Cultural History of How an Exotic Plant Seduced Civilization, prova que apesar de ser banido em todas as cidades, locais públicos e privados, a planta foi responsável pelo desenho geopolítico do mundo moderno.

Ingleses colonizaram a América para plantar tabaco.

Em 1612, graças ao colonizador John Rolfe, encontraram o que fazer em vasto território.

Ele trouxe mudas de tabaco, que começou a cultivar na recém-instalada colônia da Virgínia.

Rolfe se casou com a princesa índia Pocahontas. O Dia de Ação de Graças, em que colonos e índios fazem as pazes e assam um peru, ocorreu em fogueiras em torno de chácaras cercadas por plantações de tabaco.

 

Don Draper

 

Há anos que ele é “fonte” da revista SUPERINTERESSANTE, e mesmo assim seus livros continuam inéditos no Brasil.

Inalar fumaça é repulsivo para outros animais. Mas não entre nós.

E me lembro que conheci um casal refugiado da guerra em Sarajevo. Nadka, jornalista, e Deso, médico.

Contaram do drama de viver numa cidade sitiada e bombardeada diariamente. A única coisa que funcionava sem parar? Uma fábrica de cigarros nos subterrâneos de um conjunto habitacional.

Foi com a descoberta da América que o tabaco passou a rechear cigarros, cachimbos e charutos.

“Na América, diz ele, as folhas eram fumadas, cheiradas na forma de rapé (tabaco em pó), mascadas e até usadas como supositório. A principal razão para o consumo era mística: o tabaco permitia um contato com espíritos.”

Mas outras funções eram atribuídas a ele.

Efeito algésico e anti séptico eram indicados para dores de dente ou feridas. Marcava os eventos sociais, como as guerras.

O hábito era considerado uma selvageria. O navegador espanhol Rodrigo de Jerez, primeiro europeu a fumar, de volta à Europa, fumou em público e foi preso 3 anos. Colombo era contra a planta. Seus marinheiros, não.

O diplomata e médico Jean Nicot levou sementes para Catarina de Médici, rainha da Franca. Daí vem o nome Nicotiana. Em pouco tempo, virou remédio para tudo.

Em 50 anos, tinha até samurai no Oriente fumando.

Até no islamismo e países árabes, onde o álcool é proibido. foi liberada a sua circulação.

Na Espanha, a Tabacalera, indústria estatal que chegou a ter o maior prédio industrial do mundo, contratava ciganas para fabricar charutos. D|aí veio a associação tabaco – sexo.

No calor mediterrâneo, elas trabalhavam com poucas roupas, suadas, enrolando charutos entre as pernas.

Em 1880, com a invenção da máquina de fazer cigarros, James Buck Duke inovou o comércio e o marketing. Gastava 20% de seus lucros em propaganda.

Surgiu a American Tobacco Company, que Duke presidiu, e deu lucro até à agência Sterling Cooper Draper Pryce, de MADMEN

 

 

Quanto à birita, foi em 8000 a.C na China que o primeiro “mé” foi encontrado, um drinque de arroz, mel, uvas e cerejas fermentadas.

Os sumérios inventaram a “breja”, que a elite bebia com canudinhos de ouro.

É sabido que cada peão que erguia as pirâmides do Egito ganhava em média 5 litros de cerveja por dia.

Em qualquer achado arqueológico existem mais garrafas de bebida do que moedas. Tutancâmon, faraó da 18ª dinastia, foi sepultado com uma bela máscara de ouro e 26 jarras de vinho.

Os gregos tinham 60 variedades da bebida.

Os romanos passaram a produzir e distribuir em larga escala. Soldados romanos ofereciam vinho “de presente” aos inimigos, para dominá-los na ressaca.

Qualquer leitor de Asterix conhece o truque.

 

 

Sem fazer proselitismo, sabe-se que o alcoolismo é um grave problema de saúde pública.

Mas lembre-se que a bebida já foi considerada remédio, e que a revolução americana foi liderada por um fabricante de uísque, George Washington, que também plantava tabaco.

Sem contar que a Declaração da Independência foi escrita num boteco da Pensilvânia e que  Thomas Jefferson, signatário, era um fazendeiro de tabaco.

Se você conseguiu chegar até o final deste texto, beba com moderação. É bom lembrar, se for beber não dirija. E cigarro mata!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.