onde os amigos se encontram

onde os amigos se encontram

Marcelo Rubens Paiva

30 de abril de 2014 | 11h21

 

MERCEARIA SÃO PEDRO decide mudar e recuperar a clientela mais antiga.

Ou melhor, decide voltar ao que era antes.

A MERÇA – para quem a vê como um ponto de encontro de amigos, em que se almoça, janta, compra livros, DVDs, produtos para a casa, sorvete e bebe. E conhece todos pelo nome.

O MERÇA – para quem o vê apenas como um bar.

Ponto tradicional de mais de 30 anos na Vila Madalena, atualmente virou pico da juventude dourada paulistana e ficou na moda.

Para desespero do MARQUINHOS, um dos donos, no caixa, o melhor indicador de livros da cidade, maior resenhista literário.

 

 

Andou recebendo visitas da fiscalização, que mediu em decibéis a barulheira de centenas de moleques pequenos boêmios que se espalham pelas calçadas em frente, um hábito bem paulistano de xavecar, beber no asfalto, encontrar amigos ao lado de carros passando.

A boemia aliada à poluição.

“Quinta que é dia da Merça”, diz a garotada agora.

Quinta-feira e sábado, virou ponto.

Como um enxame de gafanhotos, tomam a Rua Rodésia e as quadras ao redor da Mercearia na Vila Madalena. Parece uma Micareta.

Na verdade, para os mais velhos, todos os dias são dias da Merça.

Segunda-feira, Bortolotto faz ponto ao lado do caixa, sentado num banquinho, com uma taça de vinho na mão.

Terça era dia de encontrar Sócrates e Xico Sá, vindos do Cartão Verde.

Quarta, futebol na TV.

Sábado e domingo, almoço com a família no buffet com arroz, feijão e farofa.

Mas, de repente, nos últimos tempos, o perfil do público mudou.

Virou “pico” da molecada.

Nesta semana, numa decisão difícil, os donos da Merça decidiram afastar a nuvem de gafanhotos e recuperar a clientela antiga.

Começaram segunda-feira.

Não vendem mais cerveja no balde depois das 21h, para inibir os que ficam espalhados pela calçada.

Priorizaram o serviço das mesas, de quem vai jantar, papear sentado.

E, à meia-noite, sem choradeira, fecham as portas.

Deu certo na segunda-feira.

Hoje e amanhã será o teste definitivo.

Uma pena que não deu pra agradar a todos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.