Olha a Mocidade aí, gente…

Olha a Mocidade aí, gente…

Marcelo Rubens Paiva

25 de fevereiro de 2009 | 22h54

Fui à Sapucai no domingo. Esperei ansioso pelo desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel. Não, eu não sou da “comunidade”, entendo de Carnaval quase nada. E meu coração nem bate em ritmo acelerado por essa escola de tanta tradição.

Minha curiosidade era o enredo, que retratava dois dos meus maiores ídolos, Machado e Guimarães, em quem busco inspiração-dos poucos que conheço a maior parte da obra- e de quem tenho duas pequenas estátuas na estante; cercadas pela bandeira do Timão, São Jorge e pelo cinzeiro da Lovy Story.

“Clube Literário – Machado de Assis e Guimarães Rosa… Estrelas em poesia!”

Muitos reclamam da pobreza das letras dos sambas enredos atuais, que usam os mesmos clichês (“esplendor”, “brilhou”). O samba da Mocidade irritou o jornalista cultural chato que vive em mim há 25 anos.

Ele não tinha nem pé nem alegoria. Suas frases feitas dão vergonha. No mais, usam informações tolas, para descrever suas vidas. Caramba, e a escola só não caiu, porque neste ano só caía uma escola (chegou em penúltimo lugar).

Aqui vai uma análise irada, já que me deixaram num baita mau-humor.

reluzente estrela de um encontro divinal
risca o céu em poesias
traz a magia pra reger meu carnaval
despertam nas páginas do tempo
romances personagens sentimentos…

Poesia nunca foi o forte de nenhum dos dois escritores. Aliás, Guimarães não permitiu a publicação em vida de seu livro de poesia Magma, apesar de ter recebido prêmio da ABL.

machado de assis que fez da vida sua inspiração
um literato iluminado
as obras, um destino à superação
nos olhos da arte reflete o legado
do gênio imortal do bruxo amado
que deu ao jornal o tom verdadeiro
apaixonado pelo rio de janeiro

Superação? À sua epilepsia? Ao preconceito contra os negros? Dom Casmuro é um destino à superação? Trata-se de um louco enciumado (ou corno)?! E O Alienista?!

a canção do meu sarau te faz sonhar
a emoção vai te levar
a estrela adormece na paz do amor
abençoado, um novo sol brilhou

Estrela adormece onde? E no amor tem paz?

o vento traz rosa de minas
rosas do mundo pra te encantar
palavras que tocam a alma
fascinam e têm poder de curar
pelas veredas do sertão
a fé, o povo em oração
pedindo à santa em romaria
pra chover em nosso chão
mistérios da vida desse escritor
revelam histórias de um sonhador

Palavras que têm o poder de curar? Guimarães tinha o poder de perturbar, isso sim. De inverter, oferecer o impossível. Demoníaco, falava de ética, duvidava da fé. No mais, a seca é o tema de outro autor, Graciliano Ramos. Guimarães ao contrário falava de pastagens em abundância.

brasil de tantas artes,
nas letras, sedução
herança em cada coração
mocidade, a sua estrela sempre vai brilhar
um show de poesia em nossa academia
saudade em verso e prosa vai ficar

Neste ano, quase se apagou. Ufa… Nonada. Pô, capricha aí ano que vem, geeente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.