O filho será sacrificado?

O filho será sacrificado?

Marcelo Rubens Paiva

21 Janeiro 2019 | 18h47

O que acontece no Brasil hoje me remete a um fato bíblico notório.

Que resultou no nascimento de um Messias.

Deus pediu a Abraão para sacrificar o filho Isaac.

Ateus consideram a crueldade a prova de que a Bíblia mente ou Deus não existe.

“Como pode haver sacrifício e teste atroz impostos a um pai?”

O escritor e teólogo Kirk Durston sugere outro olhar.

Primeiro, Deus quer transformar Abraão, para ele ser outra pessoa. Que ele, ao temer Deus, O valorize mais do que todas as pessoas, até o próprio filho. Que Abraão O reverencie acima de tudo.

O teste pouco importava, diz Durston. A transformação de Abraão, a decisão ao sacrifício e se tornar um outro homem é que vale.

Não foi o caso de aprender um fato que anteriormente era verdade, mas desconhecido para Deus, mas um caso de um novo estado de coisas que não existia até o momento da decisão de Abraão.

Finalmente, Deus disse a Abraão que, por conta da decisão, ele seria abençoado, seus descendentes seriam multiplicados, todas as nações do mundo seriam abençoadas.

Uma pequena intervenção feita por Deus mudou sutilmente um homem, em como ele via o mundo e interagia com outras pessoas.

Tais mudanças tiveram consequências e levaram ao nascimento de Israel e à chegada de Jesus, Messias.

Um pequeno evento mudou radicalmente o futuro do mundo.

“Nunca foi a intenção de Deus que Abraão realmente sacrificasse seu filho. Em vez disso, o que temos nesse relato é um vislumbre de como Deus orquestra a história com pequenas mudanças no passado que levam a grandes mudanças no futuro. Também é um exemplo de como Deus nos dá pistas no passado sobre o que acontecerá no futuro. Cerca de 2.000 anos depois, na mesma montanha, o próprio Deus, na pessoa de Jesus, o Messias, assumiu o lugar da Humanidade no altar para satisfazer as exigências da justiça perfeita, para que Ele pudesse cumprir as exigências do amor perfeito, para cada pessoa depositar sua confiança em Cristo para o perdão dos seus pecados, e para a vida eterna”, conclui Durston.

Agora, esperar para ver o que uma família Messias de outro continente, outro hemisfério, decide.

Se sacrifica para abençoar uma nação ou não.

Leia mais:

https://p2c.com/students/why-did-god-ask-abraham-to-sacrifice-his-son/#.XEYgc7nBE2g.whatsapp