O ensaio de Hitler

O ensaio de Hitler

Marcelo Rubens Paiva

27 de fevereiro de 2014 | 12h31

 

Heinrich Hoffmann era o fotógrafo oficial de Hitler.

Mais que isso, era um amigo íntimo, e o único com autorização para tirar fotografias dele.

Se conheceram durante a Primeira Guerra Mundial.

Suas fotos viraram selos, cartões postais, pôsteres. Tanto ele quanto Hitler recebiam royalties, ou direitos de imagens, pelas fotos, o que o deixou rico.

Em 1933, foi eleito deputado para o Reichstag.

Publicou livros sobre as viagens de Hitler.

Foi quem o apresentou Eva Braun, sua assistente de estúdio.

As fotos secretas de Hitler (nove ao todo), tiradas nos anos 1920, foram encomendadas pelo próprio, que queria ver registros de como ele e seus gestos ensaiados apareciam diante do povo alemão.

Não eram para vir a público.

Hoffmann foi preso pelos americanos em 1945, dez dias depois de Hitler ter se matado, e sentenciado a cinco anos.

Morreu em 1957 numa casa modesta do subúrbio de Munique.

Seu livro Hitler Was My Friend publicado pela Pen & Sword Books foi relançado [tem versão para o Kindle].

 

 

 

 

Suas fotos viraram de domínio público; ninguém mais recolhe direitos autorais por elas.

O fotógrafo se tornou desses personagens bizarros que ficam para a História e a quem não se rendem homenagens.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.