o do contra

o do contra

Marcelo Rubens Paiva

05 de março de 2010 | 18h06

carla-bruni-thumbpenelope-cruz

 

“Carla Bruni?”

“Trubufu! Calhau!”

“Fala sério…”

“Se me ligar, digo que sou um monge em retiro e meu francês é péssimo.”

“Ela não vai te ligar.”

“Quem garante?”

“Ela não vai te ligar.”

“Ei! Sou eu o do contra.”

“Maria Sharapova?”

”Mocréia!”

“Como é que é?”

“Baranga! Bagulho! Xonga! E ainda urra como um urso quando bate na bola. Já ouviu? Não joga nada.”

“Mas e a paralela?

“É na paralela que você presta a atenção?”

maria_sharapova_03

 

“Gisele?”

“A Bündchen? Xô! Que pergunta… Magrela sem-sal. Anda toda torta, como aquelas pessoas no farol vendendo canetas. Dá-lhe umas muletas.”

“É uma gata!”

“Uma coisa patética.”

“Luana?”

“Nem sei quem é.”

“Penélope Cruz?”

“Credo! Muda, vai.”

“Samba jazz?”

“Que chatice!”

“Como é que é?”

“Agora, só se fala nisso?!”

“Não gosta?”

“Música de frases feitas.”

“Frases feitas?”

“E dois acordes! Tô fora!”

“Seu Jorge?”

“Detesto. Mala, chatinho, com músicas chatinhas. E faz propaganda de cerveja. Que mala!”

“Tá bombado no mundo.”

“Problema dele.”

“Zeca Pagodinho?”

“Outro. Fez a mesma propaganda. Agora, todos fazem propaganda de cerveja. Até aquele cantor do Rappa, mala metido a preocupado com a injustiça social. São os malas mais malas.”

“Você não está exagerando?”

“Aquele Carlinhos Brown também fez a mesma propaganda. Mas esse é mala unânime. Qual é? Malas, todos! Tudo mudou, reparou? Antigamente, artista não fazia propaganda. Ainda mais de cerveja. Artista era artista, defendia uma causa nobre, morria na dureza, mas não entregava o maior bem, a inspiração, a liberdade de criação, não se vendiam. Noel Rosa fez propaganda de xarope? E Cartola, de ótica? Olha, esse comentário dá até samba.”

“Ivete Sangalo?”

“Logo quem… Desengonçada!”

“Que grosseria…”

“Você perguntou. Faz propaganda da outra cerveja e de carro, telefone, sandálias, sei lá. A mina é um outdoor dançante.”

“Mas e a música?”

“E gritar ‘levantou a poeira’ é lá música?”

“Ronaldinho Gaúcho?”

“Perna-de-pau.”

“Fenômeno?”

“Gordo.”

“Kaká?”
”Bambi.”

“Cidade de Deus?”

“O filme? Fora de foco, descontínuo, sem pé nem cabeça, com um monte de ator ruim, que nem era profissional, como esse tal de Seu Jorge, que mala…”

“Nelson Rodrigues?”

“Machista.”

“Machado de Assis?”

“Racista.”

“Lima Barreto?”

“Caso de hospício.”

“Mário de Andrade?”

“Outro. E homofóbico.”

“Oswald?”

“Comuna!”

“Plinio Marcos?”

“Analfabeto.”

“Paulo Autran?”

“Canastrão.”

“Fernanda Montenegro?”

“Sem voz, sem voz…”

“Respeito!”

“Você quem provoca.”

“Você não pode estar falando a sério.”

“Não?”

“Glauber?”

“Direitista!”

Os Sertões?”

“Chatinho.Tentou ler?”

Grande Sertão: Veredas?”

“Não entendi nonada. Tô fora!”

“Os serviços telefônicos de atendimento ao cliente?”

“Perfeitos. Bem treinados e educados.”

“Mas no Procon…”

“Malas, malas.”

“O uso do gerúndio das atendentes?”

“Um charme, não acha?”

“Dilma e Serra?”

“O amor não é lindo? Simpáticos.”

“George Bush?”

“Grande estadista!”

“O filho?”

“Ambos!”

“A Guerra no Iraque?”

“O mundo não está melhor sem Saddam?”

“Puxa, mas você é do contra, mesmo.”

“Não sou, não!”

Tendências: