o agente infiltrado

o agente infiltrado

Marcelo Rubens Paiva

24 de julho de 2013 | 12h56

Foram identificados.

 

 

Foram fotografados.

 

 

Foram filmados.

 

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=7kkgK9eY7Lo#at=64

 

E filmados

 

http://www.youtube.com/watch?v=Bn1zpTvaWJ0

 

Segundo nota oficial:

 

Esclarecimentos quanto ao emprego de Agentes de Inteligência (P-2) nas manifestações.

A POLÍCIA MILITAR INFORMA:

1- No conflito da noite de segunda-feira (22/07), a PM prendeu em flagrante Bruno Ferreira, sob acusação de ter atirado o coquetel molotov que deixou dois policiais com queimaduras no corpo. Bruno foi solto pela Justiça na noite desta terça-feira por falta de materialidade.

2- Em nenhum momento a PM negou que a Inteligência tivesse agentes acompanhando a manifestação, com o objetivo de obter informações e prever movimentos. Estas informações são importantes para as decisões de comando.

3- Estes agentes de inteligência trabalham apenas com a observação. Imaginar que um policial vá atirar um coquetel molotov em colegas de profissão, colocando suas vidas em risco, é algo que ultrapassa os limites do bom-senso e revela uma trama sórdida para justificar a violência criminosa desses vândalos.

 

Quer a PMRJ ajudar a instabilidade do Governo carioca, tumultuar a visita do papa, cumprir seu dever?

Os agentes infiltrados não ajudaram em nada no quebra-quebra da manifestação do dia 17/06 na ALERJ.

Muitos os acusam de ter promovido a quebradeira.

Mas continuam infiltrados, atuantes, a despeito das instituições democráticas.

O comportamento esdrúxulo desses cadetes não se justifica.

Proteger e servir.

Quanta tinta será gasta para reafirmar que o Brasil precisa de outra polícia, não essa?

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.