não é TV

não é TV

Marcelo Rubens Paiva

10 de agosto de 2012 | 12h22

 

“It’s not TV, it’s HBO”.

Nunca este lema da HBO fez tanto sentido.

Porque na verdade ela está reinventando a TV, inserindo no seu DNA elementos de cinema e literatura pop.

Com uma série atrás da outra em que faz o público se viciar e o mercado babar de inveja, roubando talentos da indústria.

A HBO descobriu a fórmula das séries das quais não esqueceremos, fazem e fizeram história, ousa sem medo de errar. E tem para todos os gostos.

Tem séries históricas, com vampirinhos, humor e até brasileiras.

ROMA, BAND OF BROTHERS, DA TERRA À LUA deixaram herdeiros.

No intervalo das próximas temporadas de MADMEN, GAME OF THRONES e BOARDWALK EMPIRE, estrearam neste mês abrindo a temporada duas séries que pegaram já: THE NEWSROOM e VEEP.

 

 

THE NEWSROOM [exibida aos domingos e reprisada na semana], criada por Aaron Sorkin, de “A Rede Social” e “O Homem que Mudou o Jogo”, relê o telejornalismo e a sua decadência revendo casos que foram notícia nos últimos tempos, como o vazamento da plataforma da BP em Lousiana. A pergunta que se faz é: Será que não dá mais pra fazer bom jornalismo?

Ela pega o clima frenético de uma redação de um telejornal, os dilemas de se fazer um programa ao vivo e de grande repercussão, protagonizada por personagens que em outros tempos já derrubaram presidentes, detonaram ou terminaram guerras.

VEEP [exibida na segunda e reprisada depois] é a volta de Julia Louis Dreyfus [Elaine, de Seinfeld] à TV, dessa vez com sucesso.

Ela faz SELENE, vice-presidente americana que vive às turras com o poder, mostra a sua inutilidade, os encontros inúteis, lobbies fracassados, o ciúme da primeira-dama, os patéticos foras de todos os políticos de Washington e a sua incapacidade de diálogo com a filha Catherine [nitidamente inspirada em Chelsea, filha dos Clintons].

Humor negro, rasgado [foi inspirada numa série da BBC], em episódios de 30 minutos que voam. Imperdível.

E começa a temporada também de séries brasileiras, como FDB, da Pródigo, escrita pelo grande JOSÉ ROBERTO TORERO, que aborda o universo do futebol brasileiro através daquele para quem não damos a menor bola, o juiz.

Interpretado por Eucir de Souza, o personagem Juarez Gomes da Silva tem o sonho de apitar uma Copa do Mundo.

Série que a HBO há muito promete, investiu pesado, aqueceu o mercado, pediu ideias e sinopses a praticamente todas as produtoras, criou grande expectativa e premiou os garotos de São Paulo da PRODIGO.