não atropela

não atropela

Marcelo Rubens Paiva

01 de março de 2011 | 12h56

Fotos do André Ligeiro do site RG [http://siterg.ig.com.br/] mostram bem a doidera que vivemos no domingo, enquanto chovia em São Paulo em 2 horas o equivalente a 1 mês.

O bloco ACADÊMICOS DO BAIXO AUGUSTA saiu pelo segundo ano.

Com a banda Paralela tocando de Rolling Stones, Tim Maia à Cabeleira do Zezé.

Aliás, a liga de vigilância do politicamente correto deve ficar de cabelo em pé e exigir explicações sobre o duplo sentido e a licença poética, se der uma blitz num baile de Carnaval.

Olha o nipe:

“O teu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor…” [LAMARTINE BABO]

“Olha a cabeleira do Zezé, será que ele é? Bi-cha!”

“Maria sapatão, de dia é Maria, de noite é João…”

Daria pra fazer uma rima que não ofendesse ouvidos sensíveis?

“Maria homossexual, de dia é Maria, de noite é liberal…”

E fundamentalistas da Jihad islâmica podem ficar chateadinhos se ouvir:

“Alá-la-ô-que-calor, que calor…”

“Será que ele é Maomé? Bi-cha!”

Mas nosso bloco saiu debaixo d’água.

Depois de enrolados pela Prefeitura, que só deu licença em cima da hora.

E mudou o trajeto que está até na letra do samba.

Apavora, mas não assusta!

Se antes descíamos a AUGUSTA, nos fizeram descer a CONSOLAÇÃO.

Bombeiros, PMs, encharcados, desesperados, orientando o trânsito.

Olha a irresponsabilidade dos caras.

Antes era fechar a AUGUSTA por no máximo duas horas e OK.

Agora a gente corre paralelo aos carros e ônibus de uma das principais artérias da cidade.

Um strike ideal para algum maluco no volante.

Não adianta, a gente tenta animar a cidade, mas a burocracia não entende.

Desde que sou moleque é assim.

Me lembro quando nos prendiam por andar de skate no SUMARÉ.

Sempre tem um Maluf ou Kassab contra a folia urbana.

E ainda querem tirar a PARADA GAY da PAULISTA.

O mais interessante é que parece que a chuva deu um gás no bloco!

Acendeu a chama.

100% euforia.

E me falaram que o NÃO INTERESSA, bloco da VILA MADALENA, tb saiu enquanto desabava o mundo.

Deixa passar…

Mas não atropela.

Compare com a festa do ano passado:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.