mkt or not mkt?

mkt or not mkt?

Marcelo Rubens Paiva

24 de maio de 2013 | 13h37

 

Diálogo com o departamento de marketing cultural.

“O mercado que decide o que deve ser exibido. Transferiu-se para a iniciativa privada a responsabilidade de patrocinar a cultura. Oferecem-se leis de fomento, uma forma de democratizar as artes, profissionalizar o meio, não favorecer grupos ideológicos. Sua empresa pode investir em marketing cultural. Dá visibilidade à sua marca, e ainda descontam-se impostos.”

“Que moleza! Confesso que não entendo nada desse negócio de artes. Terão que me ajudar.”

“Recebemos e avaliamos inúmeros projetos em nosso departamento. Só precisamos da aprovação final.”

“Estou ansiosíssimo. Qual projeto vocês indicam?”

“Uma peça de teatro de Shakespeare.”

“Gênio! Não entendo nada, mas minha filha adora teatro. Como é a história?”

“É sobre um príncipe.”

“Uma história de amor?”

“Não exatamente. É sobre um príncipe que se veste de preto e é atormentado pelo fantasma do pai.”

“Onde fica o reino?”

“Na Dinamarca.”

“Onde?”

“Na Dinamarca.”

“Tem uma princesa?”

“Tem uma prima.”

“Uma prima?”

“De 17 anos.”

“De menor?”

“Que se mata.”

“Caramba!”

“O fantasma do pai fala pro filho que o tio o matou para se casar com a sua mãe.”

“Que canalha! E é verdade?”

“É o que o príncipe precisa descobrir. Ele bola uma peça.”

“Que peça?”

“De teatro.”

“Outra?”

“Exatamente: uma peça dentro de uma peça.”

“Do Shakespeare também?”

“Claro. E a verdade é descoberta.”

“Final feliz!”

“Não, o príncipe morre. Muitos morrem.”

“Não podemos mudar o final?”

“Infelizmente, não.”

“Como é o nome da peça?”

“Hamlet.”

“Ah, sei.”

“Hamlet no dicionário quer dizer vilarejo, povoado…”

“Mas não é sobre um reino?”

“Podre, senhor, muito podre.”

“Deu pra notar. Tem outro projeto?”

“Temos um livro, senhor, uma nova tradução. Um clássico.”

“De um brasileiro?”

“Não, senhor, é uma… tradução. Kafka.”

“Gênio!”

“Graças ao agente dele, conhecemos o seu trabalho.”

“Por quê?”

“Kafka não era reconhecido quando estava vivo. Até pediu para queimar tudo.”

“Se nem o cara gostava dos seus livros, por que vamos traduzir? Como é a história?”

“Um sujeito acorda de manhã e descobre que se transformou numa barata.”

“Numa o quê?”

“É uma metáfora, senhor.”

“Onde se passa a história, num ralo?”

“No quarto dele, ele não sai do quarto, porque, afinal… virou uma… é, uma barata, e não quer assustar as pessoas.”

“E ele desvira?”

“Não. Ele continua barata.”

“Se ao menos ele tivesse virado uma borboleta, uma joaninha…”

“Melhor esquecer. Ele tem outro livro, bem interessante. Sobre um sujeito que é processado.”

“Por que ele é processado?”

“Ele não sabe.”

“Mas o leitor sabe?”

“Não.”

“É um processo criminal, civil, trabalhista?”

“Temos outro projeto. A edição comemorativa de um romance do Guimarães Rosa que até virou uma minissérie de TV.”

“Gênio!”

“Cujo primeiro livro, um de poesias, foi premiado pela Academia Brasileira de Letras.”

“Que livro?”

“Magma”

“Não conheço.”

“Ele proibiu a sua publicação.”

“Outro?”

“Mas foi publicado.”

“Sem ele saber?”

“Bem depois… Mas o romance é sensacional.”

“Como é a história?”

“É uma narrativa circular, como novas expressões e uma pontuação ousada.”

“Resume.”

“Um jagunço conhece outro jagunço que quer vingar a morte da família e acaba se envolvendo, quase, bem, é isso, apaixonando-se.”

“É para o público gay?”

“São jagunços, senhor, do sertão de Minas Gerais. São homens violentos.”

“Não são gays?”

“É difícil explicar.”

“Eles ficam juntos no final?”

“Não. O outro morre, e só no final o jagunço descobre que o outro era na verdade uma mulher.”

“Ele nunca tinha desconfiado?”

“Tinha. Mas… O cara, quer dizer, ela disfarçava direitinho. Incrível. Na minissérie, a Bruna Lombardi fazia o jagunço-mulher.”

“Quem fazia o outro, o Ray Charles?”

“Temos também a peça Esperando Godot. Dois caras. Beckett.”

“Gênio! Esta é gay? O Godot quem é? Ele chega? Quando ele chega?”

“Ele não chega.”

“Dá pra mudar isso?”

Balança a cabeça negativamente.

“Pessoal complicado esse.”

“Um pouco, senhor.”

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.