metrô leva 3 meses para consertar elevador para idosos e deficientes

metrô leva 3 meses para consertar elevador para idosos e deficientes

Marcelo Rubens Paiva

22 de agosto de 2013 | 20h59

 

A burocracia e a crise do Metrô com fornecedores, alguns acusados de cartel, criam transtornos entre Portadores com Necessidades Especiais da região oeste de São Paulo.

Quem usa a estação o terminal metrô Vila Madalena, da Linha Verde, está já há meses sem acesso à plataforma. O elevador da empresa ThyssenKrupp, que venceu a concorrência e faz a manutenção, está quebrado há dois meses.

E segundo a própria companhia ficará até setembro parado. Uma placa eletrônica foi retirada e levada para a fábrica do grupo na Espanha. Por ser um elevador elétrico, não hidráulico, como os mais modernos, técnicos não conseguem sanar o defeito.

Segundo a Ouvidoria do Metrô, “o elevador existente na estação Vila Madalena apresentou falha e, para a segurança dos usuários, está sendo mantido interditado.”

“Por se tratar de material importado e não ser item de estoque, necessitamos encomendar o componente e aguardar que a entrega seja realizada pelo fornecedor.”

A Companhia do Metrô afirmou através da sua assessoria de imprensa que “compreende as dificuldades e o desconforto que a ausência do elevador traz aos passageiros que têm deficiência ou mobilidade reduzida e, portanto, precisam do equipamento para se locomover pela estação Vila Madalena”.

Garante que, como forma de assegurar os deslocamentos, principalmente àqueles que utilizam cadeiras de rodas, sejam tradicionais ou motorizadas, funcionários da estação estão realizando o transporte até a plataforma por meio das escadas rolantes. Segundo o Metrô, a alternativa é segura, já que todos os empregados que atuam nas estações, nos trens e no corpo de segurança passam por treinamento específico para prestar auxílio às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

E esclarece que a demora no reparo do elevador se deve à aquisição de uma placa eletrônica importada. O componente não está disponível de imediato no mercado e segundo a empresa fornecedora o prazo para importação da placa é de 45 dias.

“Em razão do processo de compra – que exige legalmente a cotação, a emissão do pedido de importação, o recebimento e o desembaraço aduaneiro – as etapas para aquisição da peça e a normalização do elevador demandam tempo. A expectativa da Companhia é que o elevador esteja em funcionamento até o final do mês de setembro. Lamentamos os transtornos e informamos que neste período, os funcionários da estação Vila Madalena prestarão todo auxílio necessário aos passageiros.”

Três meses no mínimo para consertar um elevador. E de uma estação terminal. Que fase…

 

 

Atualmente, todas as estações e trens do Metro de São Paulo são acessíveis às pessoas com deficiência. O Metrô possui, ao todo, 138 elevadores e 511 escadas rolantes. Além disso, todas as estações têm piso tátil para orientar os deslocamentos das pessoas com deficiência visual. A companhia disponibiliza uma linha gratuita – 0800 774 41 42 – na Central de Informações do Metrô para atendimento ao público.