melhores do ano – séries

melhores do ano – séries

Marcelo Rubens Paiva

10 de dezembro de 2013 | 16h34

Não vou dizer o que é melhor.

Ou quem foi o melhor do ano.

Não existe melhor e pior. Vale tudo. Tem espaço para todos: o filme comercial, o autêntico, o que não faz concessões.

Até filme ruim tem direito a existir e ser exibido.

Aliás, o que é ruim hoje pode ser incrível amanhã.

Se uma lição aprendemos do século que passou é que não existe ideologia certa ou errada,  regime perfeito, arte certa ou errada e herói infalível.

Por isso, a partir de hoje, listarei não o melhor, mas o que eu, neste ano, mais gostei.

Que eu me lembre.

 

HOMELAND – TERCEIRA TEMPORADA

Bacana a terceira temporada de Homeland.

Continuam as emoções se sucedendo, os pontos de virada espetaculares, os dilemas da agente bipolar, do traidor que não é traidor, cuja filha agora na adolescência dá trabalho.

Um pequeno problema. Entra o Irã como grande inimigo e fomentador do terrorismo. E a Venezuela como abrigo de terroristas.

Justamente quando um surpreendente acordo ONU, EUA e IRÃ muda a geopolítica da região.

Irã é superestimado.

Acertaram no formato, erraram no inimigo, se confundiram. Esses americanos… Péssimos em política externa.

Sem contar que o melhor da série, Brody, aparece lá na frente.

 

 

Mesmo assim, é boa que dói.

 

 

RAY DONOVAN

Sobre 3 irmãos em LA que sofriam abusos do padreco da paróquia do bairro antigo e, com a ajuda do pai [John Voight], ex-presidiário, resolvem se vingar.

A surpresa do ano da Showtime.

Seu piloto bateu recorde de audiência.

Casting sensacional [participações de Elliott Gould, Rossana Arquette, James Woods], trama que prende, ironia fina com o life style de Hollywood.

 

HOUSE OF CARDS

Eu gosto da série da NETFLIX, do formato e do jeitão que exibem [todos os episódios disponíveis numa tacada].

O podre dos quatro poderes, a promiscuidade entre imprensa e Casa Branca.

 

 

Único problema é quando o personagem [Kevin Spacey] olha pra câmera e comenta o que acabamos de ver.

Gosto da repórter vadia e manipuladora [Kate Mara]. Me é familiar. Conheço tantas parecidas…

 

 

Logo logo estreia a segunda temporada. Até assinei o NETFLIX.

 

 

THE NEWSROOM

Gosto. Sei que é um bla-blá-blá sem fim.

Gosto do elenco, da trama, do fato de usaram o noticiário quente para a série, das provocações políticas. Também nova temporada a caminho.

 

THE WIRE – QUINTA TEMPORADA

Está passando na HBO Signature, apesar de ter sido exibida em 2008.

Sou daqueles fãs incondicionais da série sobre a polícia e o combate a drogas de Baltimore.

Os caras foram fundos na investigação das causas da violência.

Na primeira temporada, desbaratou o tráfico de drogas [que inspirou os filmes Cidade de Deus e Tropa de Elite].

Na segunda, mostrou que o tráfico estava ligado à pobreza, que vinha do fato da cidade perder sua vocação portuária

Na terceira, abordou a corrupção policial e política.

Na quarta, a desestruturação familiar e a decadência no ensino.

Na quinta, entra o fim do jornalismo de qualidade [o criador da série, David Simon, é repórter policial], a crise financeira do País e a sofisticação do crime organizado.

É de longe minha série favorita, com um elenco inacreditável e que investiga a fundo os problemas de uma sociedade em crise.

Vista em 2013, continua atual.

É aquela série de que você adoraria sair pra tomar umas com os caras.

 

 

VEEP

Elaine, Elaine, Elaine…

De rolar de dar risada.

As trapalhadas da vice-presidente americana [Julia Louis-Dreyfus], em enrascadas criadas por sua equipe atrapalhada, não têm fim.

Que não acabe nunca.

 

ps> Me esqueci de Game of Thrones? Não, não me esqueci, não. Só acho que não entra na lista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.