MASP recorre ao passado

MASP recorre ao passado

Marcelo Rubens Paiva

09 de abril de 2015 | 12h17

Cinco-Mocas-de-Guaratingueta

 

Depois da exposição Arte no Brasil até 1900, o novo MASP recorre ao velho MASP e abre hoje a exposição ARTE DO BRASIL NO SÉCULO 20.

No mesmo formato que Lina Bo Bardi há criou décadas atrás- telas penduradas em painéis suspensos por cabos de aço.

Depois de passar por uma grande crise, o MASP recorre ao passado, seu próprio acervo e história gloriosa, que o fez ser o museu mais visitado de São Paulo.

A montagem da expografia que abre hoje (amanhã para o público), com a coleção de arte brasileira, fotografias e documentos do arquivo do museu, obedece a mesma expografia que Lina utilizou em 1950, quando o MASP ficava na Rua 7 de Abril.

Ela antecipa o retorno da radical e polêmica expografia dos cavaletes de vidro inaugurada em 1968 no MASP da Avenida Paulista, prevista para o segundo semestre, de que os frequentadores mais velhos se lembram.

ARTE DO BRASIL NO SÉCULO 20 é um recorte que olha para trás, para juntar os pedacinhos e ajudar o museu e se reencontrar e se reconstruir.

Vale a visita e a força.

O conjunto é fragmentado.

Ao lado das obras, são expostos documentos referentes a elas (correspondências, fotografias, folhetos, catálogos e textos).

Assim, é possível conhecer o contexto social e político em que foram produzidas, exibidas e adquiridas.

Não há a preocupação e agrupar os autores em movimentos.

Ela segue uma ordem cronológica.

Revela-se a potência dos primeiros dez anos de aquisições (1947-57): Malfatti, Di Cavalcanti, Flávio de Carvalho, Vicente do Rego Monteiro, Cândido Portinari e Lasar Segall.

Tem presença a arte figurativa em oposição ao abstracionismo- nas décadas de 1940 e 1950, a abstração era promovida pelo magnata americano Nelson Rockefeller e pela parceria com o MoMA de Nova York, como parte da “política de boa vizinhança” dos EUA com o Brasil.

A partir de 1991, o museu consegue acompanhar a produção de fotografia no Brasil, com um acervo da Coleção Pirelli MASP de Fotografia mais de 1500 obras: Arthur Omar, Cláudia Andujar, George Leary Love, Geraldo de Barros, German Lorca, Marcel Gautherot e Thomas Farkas.

Esta exposição é complementada por Arte do Brasil até 1900, apresentada no segundo subsolo.

 

unnamed

Tendências: