macacos que me mordam!

macacos que me mordam!

Marcelo Rubens Paiva

31 de agosto de 2011 | 12h30

 

A nova versão PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM reescreve a história dos anteriores e atualiza as neuras contemporânas.

Se na primeira versão, O Planeta dos Macacos, filme de 1968, baseado no livro La Planète des Singes, a Guerra Fria é o que levou os macacos a dominarem a Terra, agora é um vírus criado por 1 laboratório capitalista que só pensa no lucro [que mata os humanos, mas é imune aos símios], tem seu marco zero em San Francisco.

Inspirado na AIDS, provavelmente, é espalhado por um piloto de avião que decola da Califórnia direto para Nova York; suspeita-se que o HIV se espalhou desta maneira.

Uma guerra nuclear destruiu a humanidade na primeira versão.

Agora, a ganância humana, o desespero em busca de remédios que curam doenças e retardam o envelhecimento, mais o maltrato a animais de laboratório detonam a revolução liderada por CEASAR, chipanzé que, aos 3 anos, joga xadrez, une espécies distintas e, ao invés de agredir os humanos, apenas foge para a floresta.

Só um cidadão, o CEO do laboratório, é morto pelos símios.

O fascínio que temos pela revolta de nossos longínquos antepassados vem de longa data.

A saga acompanha gerações.

Na primeira versão, Charlton Heston, um astronauta sobrevive a uma missão espacial, aterrissa num planeta igual à Terra e descobre que uma raça de macacos falantes domina e escraviza humanos, que são mudos e bárbaros.

A cena final do filme é de arrepiar e está entre as mais marcantes da indústria cinematográfica.

Num plano sequência antológico, revela-se que o astronauta estava na Terra, no futuro, ao se deparar com restos da Estátua da Liberdade numa praia deserta.

 

 

Depois de Heston, Roddy McDowall protagonizou a série como o macaco cientista Cornelius.

Tiveram as versões:

De Volta ao Planeta dos Macacos, filme de 1970

Fuga do Planeta dos Macacos, filme de 1971

A Conquista do Planeta dos Macacos, filme de 1972

Batalha pelo Planeta dos Macacos, filme de 1973

Planeta dos Macacos, filme de 2001, de Tim Burton

Além da série pela TV e desenho animado.

Ceaser, protagonista da nova versão, era filho de Cornelius.

Desta vez, é apenas fruto de experiências laboratoriais.

Mudam-se as nóias.

Mas a fixação que temos pelos atores da escrita darwinista permanece.

Que nos fazem refletir sobre nosso papel de macacos desenvolvidos que dominaram o planeta.

No futuro, aparecerá uma nova versão, em que macacos se revoltarão pela alienação das redes sociais.

Macacos malditos!

Eles que nos levam a refletir sobre nossos erros.

Como sábios tataravós, que lamentam sobre os rumos dos herdeiros.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: