london, sp

london, sp

Marcelo Rubens Paiva

05 de junho de 2013 | 12h29

 

Aqui em Londres a primavera dá as caras: sol com pouco de frio

E os parques continuam os mais bem cuidados da Europa.

Inglês tem tara por jardinagem. São experts…

Até aparelhos de ginástica para cadeirantes instalaram.

Vou ter que deixar a preguiça de lado e dar uma trabalhada nos bíceps, tríceps, deltoides…

 

 

Nada disso, meu caro.

Esse parque aí é no coração de São Paulo.

Construído sobre o antigo complexo Casa de Detenção, ou CARANDIRU.

É o PARQUE DA JUVENTUDE, enorme, arborizado, que na entrada tem uma biblioteca sem bibliotecários [o usuário passeia pelas estantes] e uma escola pública de música.

 

 

Pelo parque, a molecada toca xilofone, metais, percussão. Tem gente que dança.

O parque vive vazio. O estigma do massacre no presídio afasta as pessoas.

E tem uma estação de metrô na porta.

 

 

A energia negativa dos 111 mortos cria fantasmas e fantasias, como a do taxista que me levou, que disse que naquela calçada da entrada escorria sangue.

Na verdade, o PAVILHÃO em que ocorreu o massacre ficava do outro lado, a mais de 1 quilômetro da entrada.

Pessoas acham que o parque está acomodado sobre ruínas e escombros. Que nada. Surpreende a mata fechada, os corredores de terra, a vegetação que pegou.

Só lamento não terem deixado um pavilhão em pé, e nele, um museu.

Era incrível ver as escadas gastas do sobe-e-desce frenético de presos anônimos e notórios.

Muitos amigos meus, pegos com maconha, na década de 1970, ficavam presos nele.

Naquela época, uma ponta dava cana. Entulho da ditadura.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.