lei da anistia em debate

lei da anistia em debate

Marcelo Rubens Paiva

27 de agosto de 2013 | 12h24

 

Para mim, é juridicamente questionável, já que foi aprovada durante a ditadura, por um Congresso com a oposição engessada, opositores no exílio, imprensa empastelada e sob censura, regime de exceção e anos de estado de direitos cassados, tortura e terror.

Com a criação em 1º de fevereiro de 1978 do Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA), no Rio de Janeiro, e a proliferação de comitês como esse em várias cidades do Brasil, ainda no mesmo ano, o Movimento por uma “Anistia Ampla, Geral e Irrestrita” tornou-se nacional. Os CBAs reuniam intelectuais, artistas, jornalistas, políticos progressistas, religiosos de vários credos, sindicalistas, estudantes e familiares dos atingidos políticos.

As manifestações de ruas PELA ANISTIA AMPLA GERAL E IRRESTRITA eram reprimidas por Tropas de Choque.

Apanhei muito fugindo de PMs comandados pelo ex-coronel Erasmo Dias.

Hoje, nos perguntamos se é justa e se deveria ou não ter absolvido torturadores.

 

 

O Sedes Sapientiae debate Lei da Anistia no 34º aniversário de sua aprovação amanhã, no dia 28/8 (4ª feira).

É a conversa pública LEI DE ANISTIA 1979: UMA LUTA QUE CONTINUA.

Serão debatidos os tópicos:

a) A luta dos movimentos democráticos.

b) O papel dos movimentos sociais.

c) O papel do Sedes no movimento pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita.

d) O “paradoxo da vitória para todos” e suas repercussões na política de abertura democrática.

e) Considerações sobre a Lei de Anistia na atualidade.

Na ocasião, será apresentado do projeto Clínicas do Testemunho da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e exibido o filme “Anistia”, da Comissão de Anistia.

CONVIDADOS:

– Pompéia Maria Bernasconi, Associação Instrutora da Juventude Feminina, membro da diretoria do Instituto Sedes Sapietiae

– Paulo Abrão, Presidente da Comissão de Anistia, Ministério da Justiça

– Adriano Diogo, Presidente da Comissão da Verdade de São Paulo “Rubens Paiva”

– Marlon Weichert, Procurador da República. Conselheiro da Comissão de Anistia.

– Celeste Fon, participante do Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA) na campanha da Anistia Ampla, Geral e Irrestrita.

– Maria Auxiliadora Arantes, participante do Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA), membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia, membro do Departamento de Psicanálise do Sedes.

– Yanina Stasevskas, psicóloga, psicanalista, diretora do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Butantã.

– Maria Cristina Ocariz, psicóloga, psicanalista, coordenadora da Clínica do Testemunho Instituto Sedes Sapientiae, membro do Departamento de Psicanálise.

LEI DE ANISTIA 1979: UMA LUTA QUE CONTINUA

28 de agosto de 2013

20h às 23h, auditório do SEDES SAPIENTIAE

Rua Ministro Godói, 1.484, tel: (11) 3866-2730

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: