Justiça maluca

Marcelo Rubens Paiva

02 de fevereiro de 2015 | 17h12

Uma carta publicada hoje no PAINEL DE LEITOR do ESTADÃO surpreende e mostra que muitos dos problemas ambientais do Brasil passam por uma instituição falida e corrompida, o Judiciário.

A luta é grande, meu amigo, é ampla, é infindável.

 

Parque Augusta

 

O Poder Judiciário tem grande responsabilidade no caso do Parque Augusta. Existe uma ação civil pública ajuizada por uma ONG e patrocinada por advogados muito jovens que tem andado a passos de tartaruga. Já a ação de reintegração de posse ajuizada pela construtora Cyrela andou a largos passos e com impressionante rapidez. Ora, se já existe uma anterior ação civil pública tramitando na 29.ª Vara Cível, o juízo competente para apreciar a reintegração de posse seria esse. Todavia a ação da construtora foi distribuída livremente e, apesar de informado da existência da anterior ação, o juiz de Direito da 5.ª Vara Cível, incompetente para tal, concedeu a liminar imediatamente. A imprensa precisa cobrar, também, o Judiciário, e não só o Poder Executivo. Sou advogado militante há 43 anos e já cansei da morosidade do Judiciário.

 

CARLOS ALBERTO FERREIRA

 

carlos.alberto572@terra.com.br