Insano horário do futebol

Insano horário do futebol

Marcelo Rubens Paiva

24 de julho de 2014 | 11h55

 

O que todos temiam, aconteceu enfim.

Torcedores perderam o último trem do Metrô depois do jogo de ontem na Arena Corinthians.

Uma coisa era perder o Metrô no Pacaembu, região central.

Os precavidos [como eu] saíam antes do término do jogo e literalmente corriam até a Estação Paulista.

Outra, em Itaquera.

Ou a GLOBO antecede em meia hora os jogos da quarta à noite, que, se começassem às 21h30, dariam tempo de folga para a evacuação de torcedores, ou a empresa disponibiliza trens para depois da 0h30.

O último trem do Metrô partiu da Estação Itaquera por volta de 0h24.

Sem contar os funcionários que trabalham no jogo e têm que esperar até amanhecer e reabrir o acesso ao transporte público.

O repórter Fabio Hecico contra que, inconformados, torcedores que não conseguiram embarcar reclamaram da TV Globo, detentora dos direitos de transmissão, e do governador Geraldo Alckmin, considerados culpados pelo horário da partida.

Foi o primeiro jogo do novo estádio que começou às 22h.

O trajeto entre o estádio e a estação leva 15 minutos.

É um dilema que se arrasta há anos.

Uma prova já debatida de maus tratos ao torcedor [consumidor].

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou em 2006 um projeto de lei que impedia o início de jogos de futebol profissional depois as 21h na cidade.

Projeto de autoria do ex-vereador tucano Tião Farias previa cassação de alvará e interrupção dos jogos que começarem depois das 21h

Em vão. O ex-prefeito Gilberto Kassab vetou.

Faz-se um apelo à emissora e à companhia.

Bom-senso…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: