Holanda e Suécia reutilizam presídios por falta de presos

Holanda e Suécia reutilizam presídios por falta de presos

Marcelo Rubens Paiva

29 de maio de 2016 | 14h14

Suécia e Holanda fecham presídios por falta de presos

A notícia pega de surpresa todos os países que vivem sob uma onda de criminalidade e crise em sistemas prisionais.

O primeiro país a ter uma notória política de liberação das drogas, Holanda, política contestada até pela ONU, não tem prisioneiros suficientes para as suas prisões.

A taxa de crime cai 1% ao ano nos últimos cinco anos.

Desenove prisões foram fechadas.

Ou transformadas em albergues temporários para imigrantes.

Uma delas, Het Arresthuis, em Roermond na fronteira com a Alemanha, foi transformada em hotel de luxo.

 

pri3 pri psi

 

Na Holanda, havia 13.500 celas vazias. Mais de 1/3 das disponíveis no país.

300 delas foram emprestadas a Bélgica e Noruega, que enviaram uns presos para o outro lado da fronteira.

O envelhecimento da população, menos disposta a cometer crimes, as sentenças alternativas e a diminuição de crimes violentos (caíram 27%) fizeram despencar a necessidade de prisões.

Também na Suécia, cinco presídios foram desativados por falta de prisioneiros.

A população carcerária cai 6% ao ano na Suécia.

Com uma política de combate mais tolerante contra as drogas, reforma nas policias, modernização da vigilância, todos saíram ganhando.

Tendências: