hackeadas

hackeadas

Marcelo Rubens Paiva

04 de maio de 2012 | 19h18

Essas meninas ficam mais bonitas nas suas fotos hackeadas.

Sem maquiagem. Solitárias.

Sei que é crime, uma invasão absurda.

Um já pagou a pena – Christopher Chaney foi indiciado em 2011 e condenado por acesso não autorizado a computadores e escutas telefônicas. Foi preso como parte de uma investigação do FBI que durou 1 ano de hackers de celebridades, como Scarlett Johansson.

Não à quebra da privacidade a que todos temos direito.

Porém, já está na rede, maldita rede que desqualifica a privacidade como um direito.

Como fã, admirador, me encanta vê-las nos bastidores da vida, na intimidade, atrizes que só conhecemos produzidíssimas.

Lindas. Espontâneas.

Há tanta poesia num auto-retrato.

E há tantas questões que vêm do fundo da alma:

1. É assim que queríamos que nos vissem?

2. Ou queremos ver o que tantos nos pagam para sugerir, quase mostrar?

Sugerem.Imaginamos. E são tão humanas… Como nós, se divertem em espelhos de banheiro.

Sem querer, dão aulas a muitos fotógrafos e designers.

Solidão roubada.

A começar por Simone de Beauvoir, a musa das musas:

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.