gaiola 9

gaiola 9

Marcelo Rubens Paiva

14 de maio de 2011 | 15h41

Numa sexta-feira 13…

Na semana em que as redes sociais revelaram que humoristas têm ódio, que cantores desprezam seus ouvintes, que apresentadores esportivos se xingam, por causa do futuro de um jogador com o apelido de uma ave, e em que moradores de um bairro nobre não querem uma gente diferenciada por perto…

No mês em que nos sentimos na Idade Média, após a morte de um líder mouro, o casamento real e a beatificação de um Papa…

No ano do fortalecimento das redes sociais…

Na década em que o terror ditou as regras do jogo geopolítico, um negro chegou à presidência Americana e o capitalismo foi colocado em cheque…

Posto fotos dos meus 2 gatos.

Que se estranharam no início.

Que gerou ciumeira, chiadeira, miadeira, correria, unharia…

Mas que hoje não se desgrudam.

O que eles nos ensinam?

Que se as coisas não fazem sentido, melhor observarem juntos o desconhecido.

Quando chega o novo, o velho luta por seu poder, briga pelo território, até perceber que a novidade pode ser útil, como aquecer no frio, por exemplo.

Uma lição para Tiago & Neto, Danilo & bom senso, Ed & Paula, Higienopólis & Metrô.

Hugo, nascido em 25 de setembro de 2010, na casa do senhor Francisco José Zambianchi.

Fábio, origem desconhecida, nascido aproximadamente em fevereiro de 2011, encontrado na Gaiola 9 do anexo de adoção de animais abandonados da Cobasi, rede de produtos para animais domésticos.

O resto?

Depois pensamos no resto…

O mundo cansa às vezes.

E se você não aguenta mais ler sobre os meus gatos, eu entendo.

Vá ao Twitter.

As coisas por lá andam bem mais animadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.