Fabulando: quem ganhou debate?

Fabulando: quem ganhou debate?

Marcelo Rubens Paiva

15 de outubro de 2014 | 10h50

É a palavra da moda, graças a Dilma, que disse ontem do debate da BAND que Aécio deve estar “fabulando”.

Junto com “meritocracia”, foi o hit das redes sociais.

Aliás, cara-de-pau do Aécio falar em meritocracia, neto de quem é.

Ao final, nas redes sociais, os eleitores continuaram brigando entre si, mas no linguajar do debate:

“Como você é leviana!”

“Você que falta com a verdade, querida.”

Adoro “tratativas”. Tem palavras que escuto só em debate político. Nunca ouvi no dia a dia

Dessa vez, o debate da Band deixou de lado os jornalistas da emissora, cujas perguntas no primeiro debate eram mais longas e enroladas do que o tempo concedido aos candidatos e seus programas.

Dessa vez, só os próprios se perguntaram.

Constantemente, os candidatos se referiam ao telespectador com dona-de-casa.

Ronaldo Bressane @rbressane tuitou: “Opa perae já voltou o debate pera que eu vou colocar minha roupa de dona de casa”.

De novo temos a informação que o Bolsa Família atinge 50 milhões, 1/4 do País.

A polêmica em torno de quem o inventou persiste. Vão ter que fazer um DNA pra descobrir o pai.

Até soltarem pela rede a Certidão de Nascimento do Bolsa Família.

Aparece pai, mãe, avós e parentes distantes.

 

 

 

Ricardo Amorim (@Ricamconsult ) tuitou: “Nunca imaginei que diria isso, mas os nanicos estão fazendo falta. O debate no Twitter está melhor do que na TV.”

Pensei que no quarto bloco iriam falar só da vida pessoal.

“Senhor cheira?”

“A senhora bebeu?”

“Cor.”

“Um filme”

“Um sentimento.”

“Um arrependimento”

“Um perfume.”

“Cor da cueca.”

Ninguém falou da gravata dourada do Boechat. O cara era puro brilho. Ficamos sabendo que apareceu no estúdio com uma verde, mas a emissora pediu para trocar, pois poderia parecer apoio a Marina (?!).

Tuitei que o debate estava repetitivo, e teremos mais três. Parecia reggae.

Fãs do  gênero jamaicano, como minha colega Lúcia Guimarães, pediram respeito.

Dilma perguntou sobre mulher para Aécio e lei Maria da Penha. Muitos não entenderam. Se ó o que estou pensando, é a reedição do 3 em 1 do debate Collor x Lula? Marqueteiros do PT enlouqueceram…

Nos intervalos, a campanha do PT só falava do Aécio. Mal. Era como se a Pepsi falasse que é boa, porque a Coca é ruim.

O programa do tucano é simples. Basta preencher: “O _______ é um bom programa, mas precisa ser melhorado.”

E Dilma definitivamente jogou fora os blazers vermelhos.

Não se falou de cultura.

Não se falou de política externa.

Se falou mais de MG do que do Brasil.

artr @arturdotcom  resumiu:

– O governo de Minas foi o melhor

– O pior

– O melhor

– O pior

– O melhor

– O pior

– O pior

– O melhor

– Concordo, obrigado candidata

Dilma só pediu desculpas uma vez. Ao microfone, depois de lhe dar um tapa sem querer.

E Aécio novamente levantou o dedo em riste para se defender da acusação do Aecioporto. Lembrou-se da dura de Luciana Genro e o dobrou.

Era madrugada, as donas-de-casa dormiam, e os candidatos dominaram as redes sociais.

Quem ganhou?

Quem é Aécio diz que foi ele, quem é Dilma, que do ela.

@ivantorraca fabulou: “Considerações finais. Aécio: Sou o único que pode tirar o PT do poder. Dilma: Sou a única que pode tirar o Lobão do país.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.