dúvidas e certezas

Marcelo Rubens Paiva

01 de novembro de 2010 | 12h07

Não sei se apenas LULA ganhou esta eleição.

Os milhões de votos foram para DILMA, pois ela soube conquistar e representar a herança lulista.

DILMA foi a eleita.

E ganhou de um candidato escolado.

Pela liturgia do cargo, especialmente sob o processo democrático insuspeito, ela merece o respeito de todos os brasileiros.

Sim, temos um presidente.

PALOCCI, ao seu lado, traz um certo alívio para o mercado, já que não haverá aventuras na economia.

SARNEY, no mesmo palanque, indica: não haverá muitas reformas no jogo político.

Foi uma das campanhas mais verbalmente violentas que já se viu.

Os marqueteiros pegaram pesado. Com LULA alimentando a fogueira, destoando da tranquilidade que o cargo deveria transmitir.

Em debates, gastava-se mais tempo negando o que era dito na propaganda eleitoral, do que apresentando projetos.

A privatização ou não da Petrobras e o aborto dominaram as discussões do segundo turno.

Ambos pregaram o continuísmo assistencial das bolsas família e estudantil. Tudo era prioritário, a agricultura, a natureza, a pesca, a saúde, a segurança, o emprego, a educação…

A maioria dos brasileiros quis DILMA.

Sua vontade deve ser respeitada.

O número de abstenção + nulo + branco é reflexo de que parte da população protestou contra a forma com que as campanhas foram conduzidas.

Já sabemos que programa partidário é deixado de lado após a posse.

Já sabemos que alianças que doem no estômago são necessárias para se governar.

Já sabemos que antigos clãs dão um jeito de tirar uma casca do Poder.

Já sabemos que a imprensa será acusada de imparcial.

Já sabemos que o mercado é que rege.

Já sabemos que as grandes reformas não virão, e que o pré-sal é nosso.

Já sabemos que tabus religiosos têm força, e que o câmbio flutuará.

Já sabemos que na nossa língua é PRESIDENTE DILMA, e não PRESIDENTA, e que ela tem maioria.

O que ninguém pode garantir é se será DILMA ou LULA o novo presidente.

Se a FICHA LIMPA vai pegar.

Se o trem bala sairá do papel.

Se o juro continuará o mais alto do mundo.

Se a violência urbana dará uma trégua.

Se a Justiça andará mais rápido, eliminando a sensação de impunidade.

Se TIRIRICA tomará posse.

Se a AMAZÔNIA virará cinza.

Ou seja, continuaremos com nossas dúvidas e certezas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: