Deus é mesmo brasileiro?

Marcelo Rubens Paiva

02 de fevereiro de 2009 | 14h46

Descobriu-se a nacionalidade de Deus nos anos 70, após a iluminada vitória da seleção brasileira na Copa do Mundo. Pelé & Cia, bossa nova, Oscar Niemeyer, milagre brasileiro, natureza exuberante, povo alegre, cordial, ausência de cataclismas como furacão e terremoto, eram as dicas que apontavam que Deus era conterrâneo.

Nos anos 80, começou-se a duvidar.

A derrota da seleção de 82, o fim do futebol arte, a rejeição da emenda das diretas, a morte de Tancredo e a entronização de Sarney, a inflação, a moratória, a década perdida… Tudo levava a crer que Deus requereu o passaporte argentino (talvez).

No anos 2000, o Brasil se destacou economicamente. Nossas instituições se solidificaram, enquanto na Argentina beiraram o caos. E Sarney voltou! Será que Deus é maranhense?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.