deram o troco

deram o troco

Marcelo Rubens Paiva

30 de agosto de 2011 | 15h35

 

 

Soube sábado que o filme “MALU DE BICICLETApassou pela censura e será exibido no Festival de Cinema Brasileiro na China, em novembro em Pequim e Xangai.

16 filmes foram apresentados pela curadora da mostra, Annamaria Boschi.

Que alertou no convite sobre o embargo, algo que, nos dias de hj, ainda mais se tratando de uma mostra, parece uma insanidade.

Cometida pelo país que todos apostam como o novo timoneiro do mercado livre.

Que aloca empresas do mundo todo.

Em que são montados brinquedos, roupas, iProdutos de uma Apple que fatura mais que a indústria automobilística.

Se a China nos faz ter bugigangas baratas [e pouco interessa ao consumidor se através de trabalho escravo ou danos irreparáveis ao meio ambiente], também comete 1 dos crimes mais bizarros, o da censura.

 

 

Que, como toda censura, é estúpida, autoritária e sem sentido.

6 filmes foram vetados pela Administração Estatal de Rádio, Filme e TV.

“LINHA DE PASSE”, dirigido por Salles e Daniela Thomas.

Qual a razão, ele ser banqueiro, capitalista?

Também foram barrados:

“DZI CROQUETTES”

“O BANDIDO DA LUZ VERMELHA”

“MANGUE NEGRO”

“CABEÇA A PRÊMIO”

E, o mais absurdo, “UMA NOITE EM 67”, genial documentário sobre uma noite no Festival da Canção da Record.

Com Gil, Caetano, Mutantes, Roberto Carlos, Chico, Tom, Geraldo Vandré…

Absurdo pois a maioria das músicas concorrentes era de protesto, tinha o mesmo foco, ou inimigo: a ditadura brasileira.

O organismo responsável pela aprovação do que é exibido no país tem a missão de “proteger” o público de programas que ofendam “sensibilidades chinesas”, seja lá que sensibilidade é essa.

Músicas que protestam contra uma ditadura de direita não devem ser ouvidas numa de esquerda.

O que mostra que as linhas ideológicas são antagônicas, já os métodos de perpetuação no poder são os mesmos.

Os aprovados são, além de “MALU DE BICICLETA”: “FAMÍLIA BRAZ”, “CINCO VEZES FAVELA” , “ANTES QUE MEU MUNDO ACABE”, “MÃE E FILHA”, “REFLEXÕES DE UM LIQUIDIFICADOR” e quatro curtas de animação.

Dois outros filmes ainda serão avaliados pelas autoridades chinesas: “É Proibido Fumar” e o documentário “Vip’s”.

Confesso que me alegrou a escolha, mas mantive um incômodo sentimento de raiva pelo autoritarismo e solidariedade pelos meus parceiros vetados.

E me pergunto se detectaram pensamentos maoistas nas entrelinhas da minha história de amor e desamor.

Antes de festejar, me interessa protestar, mostrar repúdio.

Nunca o cinema brasileiro, ou melhor, a cultura brasileira foi tão humilhada nestes tempos em que o mundo respira democracia.

Na nossa ditadura, censuramos [e prendemos] um grupo do Circo da China que coincidentemente fazia turnê no Brasil no dia do Golpe Militar em 1964.

Deram o troco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: