comercial mata hitler criança

comercial mata hitler criança

Marcelo Rubens Paiva

03 de outubro de 2013 | 12h45

 

Comercial não autorizado da Mercedes mata Hitler quando criança.

“O carro que detecta o perigo antes”, diz o slogan que encerra o spot.

O comercial foi feito pelos alunos da Academia de Cinema do estado alemão de Baden-Württember.

Retrata a pequena vila em que o ditador cresceu.

E deixa a pergunta: o nazismo foi criação de um homem só, uma vez criança, ex-combatente da Primeira Guerra, artista plástico frustrado, ou de uma Nação em conflito, xenofóbica, dominada por uma ideia doentia de pertencer a uma raça superior, e pela histeria dominante de um ideal que se espalhava, o fascismo.

História se faz com o que passou, não com o que poderia ter acontecido se…

Imputar a responsabilidade da loucura que reinou a Europa sob apenas um homem insano é fugir da responsabilidade e adesão de muitos.

Talvez sem seu grande líder, um imbecil com discurso afiado, o Partido Nazista não teria avançado muito.

Ou outro tomaria seu lugar?

Mas destaca-se a coragem dos moleques da Academia de Cinema em abordar um tema tão  delicado aos País e a seus avós.

Veja: http://www.youtube.com/watch?v=RpLYbIqeSFY

Baden-Württemberg tem a maior densidade de universidades e a oferta de cursos superiores mais diversi?cada da Alemanha.

São várias faculdades que têm uma oferta adequada para tudo.

Elas lideram também a captação de verbas europeias para a pesquisa na Alemanha.

Muitos vencedores do Prêmio Nobel, como Prof. Dr. Harald zur Hausen ou Prof. Dr. Christiane NüssleinVolhard, vivem e trabalham em Baden-Württemberg, de onde dau pesquisadores famosos, como Johannes Kepler ou Albert Einstein.

Algumas invenções saíram de Baden-Württemberg. É o caso dos ?chários, palitos de fósforo, fotocopiadoras, buchas de
parafusos, furadoras elétricas e até o teleférico para a prática de esqui.

E o próprio motor de combustão de Carl Benz, que criou a indústria automobilística, inventado em 1886.

Pena que não inventaram a máquina do tempo.

Seria interessante ver o mundo hoje sem Hitler.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.